Escolha as suas informações

Greta Thunberg já está em Lisboa
Portugal 6 4 min. 03.12.2019

Greta Thunberg já está em Lisboa

Greta Thunberg já está em Lisboa

Foto: Lusa
Portugal 6 4 min. 03.12.2019

Greta Thunberg já está em Lisboa

A ativista sueca Greta Thunberg chegou esta terça-feira à tarde a Lisboa, na doca de Santo Amaro. Perante mais de uma centena de pessoas, a jovem agradeceu a receção e reforçou a urgência de se combaterem as alterações climáticas.

Apesar de ter a chegada à Doca de Santo Amaro, em Lisboa, marcada para as 8 da manhã, o catamarã que transportava Greta Thunberg só atracou às 12:45 perante uma pequena multidão onde se incluíam jornalistas e autoridades. Greta Thunberg deu então uma pequena conferência de imprensa depois de discursos do presidente da Câmara de Lisboa, Fernando Medina, dos organizadores da receção e de membros da tripulação.

Agradecendo a todos os presentes, Greta disse-se honrada por ter chegado a Lisboa e pelo acolhimento que lhe foi dada. “Após uma viagem destas, em que tivemos três semanas isolados num espaço tão limitado e com tão poucas coisas para fazer, é normal que estejamos relaxados, pois estivemos desligados de tudo mais", dizendo-se um pouco "assoberbada" mas que foi um sentimento “fantástico”.

“Eu e os outros ativistas ambientais não iremos parar, iremos continuar a fazer tudo ao nosso alcance”, disse a ativista, em vésperas de se deslocar à cimeira ambiental COP25, onde constarão mais de 200 líderes mundiais. "Iremos continuar lá a luta, para garantir que dentro dessas instalações sejam ouvidas as vozes das pessoas e da geração futura", prometeu Greta.

Dizendo ser necessário "trabalhar em conjunto para garantir que estaremos a salvar a vida da humanidade”, Greta Thunberg lançou um apelo de urgência: "todos têm de fazer tudo o que puderem para garantir que ficam no lado certo da história”, avisou. Mesmo sendo possível  que "não haverá nada de concreto" a sair desta cimeira, "tal como aconteceu nas reuniões anteriores”, a ativista diz que “isso nunca será razão suficiente para não fazermos tudo o que estiver ao nosso alcance para provocar uma reação”.

Perante as perguntas quanto aos seus planos para apresentar no COP25, a ativista diz que o que ela e outros ativistas jovens estão a "exigir são passos claros". “Não nos compete a nós, as crianças, os adolescentes, de apresentar qualquer tipo de plano para garantir o nosso futuro", esclareceu, sendo que "as pessoas com poder têm de dar ouvidos aos cientistas." Quanto a esse aspeto, Greta disse que o movimento que ajudou a criar tem a capacidade real para promover mudança. “As pessoas substimam a força das crianças zangadas”, afirmou.

Porém, perante as críticas de que o meio de transporte que escolheu para viajar entra a Europa e as Américas, por navegação, é caro e pouco prático, Greta defendeu não querer "dizer a ninguém como deve viajar”. “Não estou a fazer esta viagem porque quero que todos o façam, estou a fazê-lo porque é uma mensagem, é um símbolo”, disse a ativista, sublinhando, contudo, que "é impossível progredirmos se não houver sustentabilidade” e que "é claro que há alternativas mais sustentáveis" a viajar de avião.

Greta Thunberg recusou-se a ainda a comentar a ideia de que Portugal será o primeiro pais a tentar almejar a neutralidade carbónica, dizendo não conhecer o caso em concreto e apontando que "nenhum país no mundo esteja a fazer o suficiente".

O presidente da Câmara de Lisboa, Fernando Medina, afirmou que a cidade está de "portas abertas" para receber a ativista sueca Greta Thunberg, que desembarcou ao início da tarde em Lisboa, após atravessar o Atlântico. "Ela é muito bem-vinda na cidade de Lisboa. É uma cidade que está de portas abertas e de braços abertos para a receber", disse o autarca à agência Lusa na doca de Santo Amaro, Lisboa, onde algumas centenas de pessoas aguardaram várias horas pela chegada da jovem ativista.

Fernando Medina sublinhou que é um "gosto grande" que a ativista tenha escolhido passar por Lisboa antes de partir para a Cimeira do Clima em Madrid e avançou que tenciona dizer-lhe "de uma forma inequívoca" a grande protagonista que ela tem sido na questão ambiental, apesar de ser alvo de "muita crítica e de muita incompreensão".

Por esta razão, Fernando Medina voltou a dizer de forma muito clara que ela é bem-vinda a Lisboa, que é uma cidade que está empenhada na mesma luta.

Fernando Medina referiu que pretende transmitir à ativista que a consciência que existe "é a de que o mundo, no seu global, não está neste momento, com uma estratégia de vencer as alterações climáticas", conforme alertou António Guterres, secretário-geral das Nações Unidas.

"Temos de fazer mais, mais rápido, porque se não o fizermos corremos o risco de entrar numa situação incontrolável", concluiu o autarca.

De acordo com os organizadores da visita, não está prevista qualquer outra iniciativa da jovem — o que inclui as tentativas feitas de comparecer na Assembleia da República, devendo partir de comboio ainda hoje para Madrid, para participar na conferência climática, que começou na segunda-feira e que junta representantes de quase 200 países, signatários do Acordo de Paris, de redução das emissões de gases com efeito de estufa.

Com Lusa

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba a nossa newsletter das 17h30.


Notícias relacionadas

Greta Thunberg debaixo de fogo
Uma cobertura mediática sem precedentes, milhares de seguidores mas também muitas críticas e desinformação. Qual o preço da mediatização de Greta Thunberg?
TOPSHOT - Swedish climate activist Greta Thunberg participates in a conversation with leading climate scientists during the event "Unite behind the science" within the UN Climate Change Conference COP25 at the 'IFEMA - Feria de Madrid' exhibition centre, in Madrid, on December 10, 2019. - UN climate negotiations in Madrid remained bogged down yesterday in the fine print of the Paris treaty rulebook, out-of-sync with a world demanding action to forestall the ravages of global warming. The 196-nation talks should kick into high-gear today with the arrival of ministers, but on the most crucial issue of all -- slashing the greenhouse gas emissions overheating the planet -- major emitters have made it clear they have nothing to say. (Photo by CRISTINA QUICLER / AFP)