Escolha as suas informações

Pedro e Ana são tão diferentes!
Opinião Portugal 2 min. 13.06.2021
Governo português

Pedro e Ana são tão diferentes!

Governo português

Pedro e Ana são tão diferentes!

Foto: Lusa
Opinião Portugal 2 min. 13.06.2021
Governo português

Pedro e Ana são tão diferentes!

Sérgio FERREIRA BORGES
Sérgio FERREIRA BORGES
Digamos que a engenheira Vitorino pode viver perfeitamente com as ajudas de custo, destinando o salário, integralmente, ao aforro.

O Governo fez duas nomeações para cargos importantes e, como sempre acontece nestas alturas, o fogo pegou à palha. Muita controvérsia, nem toda com razão, até porque os dois casos são substantivamente diferentes.

Comecemos por Ana Paula Vitorino. Vai liderar a Autoridade da Mobilidade e dos Transportes, uma entidade que funcionará como reguladora, de um sector que já foi tutelado por ela própria. Terá um salário acima dos 12 mil euros mensais, a que juntará ajudas de custo de 4500 euros.

Diz-se que muitos dos críticos desta nomeação não são mais que simples invejosos. Concordo que são invejosos, como qualquer outro português será. Quem é que desdenharia um salário desta ordem de grandeza, num país fustigado pela miséria? Pouca gente, claro.

Digamos que a engenheira Vitorino pode viver perfeitamente com as ajudas de custo, destinando o salário, integralmente, ao aforro. Será um caminho aberto para a prosperidade, à custa dos dinheiros públicos, saídos do massacre fiscal a que todos os contribuintes são sujeitos.

Pior ainda: não se percebe a utilidade de tal instituição. De resto, se fosse mesmo necessária já há muito tempo que estaria em funções. Portanto, toda a gente fica com a impressão que o lugar foi prometido a Ana Paula Vitorino, em Outubro de 2019, altura em que ela foi afastada do Governo, para evitar a coexistência com o marido, Eduardo Cabrita. Ela esperou e valeu a pena, como prova o novo salário.

A oposição juntou os dois casos, para atacar o Governo. Mas fez mal e não obteve ganhos de causa.

De Pedro Adão e Silva, pouco se pode dizer. Vai ser o Comissário-Executivo das Comemorações dos 50 anos do 25 de Abril. O salário bruto será inferior a 5000 euros que emagrecem para pouco mais de 2500, depois de deduzidos todos os impostos. Acrescem ajudas de custo da ordem dos 4000 euros.

Só por isto, se vê a diferença entre as duas nomeações. Pedro Adão e Silva é tido por um homem competente, embora ninguém possa garantir que os seus predicados de professor e comentador político sirvam para a tarefa que agora lhe foi confiada. Mas acreditemos que a sua inteligência será capaz de resolver qualquer eventual deficiência.

No plano moral, também parece que Pedro Adão e Silva é diferente do muito que por aí se vê. Já garantiu que ia abdicar do salário de professor do ISCTE, cingindo-se ao salário da nova função, que se vai prolongar por cinco anos.

A oposição juntou os dois casos, para atacar o Governo. Mas fez mal e não obteve ganhos de causa. Se tem alguma razão para pedir esclarecimentos sobre a escolha de Ana Paula Vitorino, no caso de Pedro Adão e Silva o ruído criado nem sequer serve para fazer chicana política.

(Este autor escreve de acordo com o antigo Acordo Ortográfico.)



Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.