Escolha as suas informações

Francisco Louçã: “A União Europeia é um projecto falhado”

Francisco Louçã: “A União Europeia é um projecto falhado”

Foto: Lusa
Portugal 2 min. 27.08.2016

Francisco Louçã: “A União Europeia é um projecto falhado”

O conselheiro de Estado Francisco Louçã considerou hoje que "a União Europeia é um projecto falhado" porque "representa o contrário do que prometeu", com o único argumento do poder de que é "preferível ser temido do que ser amado".

O conselheiro de Estado Francisco Louçã considerou hoje que "a União Europeia é um projecto falhado" porque "representa o contrário do que prometeu", com o único argumento do poder de que é "preferível ser temido do que ser amado".

Francisco Louçã foi hoje orador de um dos painéis de debate do fórum Socialismo 2016, a 'rentrée' política do BE que decorre até domingo em Santa Maria da Feira, distrito de Aveiro, numa prelecção onde cruzou o pensamento do historiador italiano Nicolau Maquiavel com excertos da série "Guerra dos Tronos" para reflectir sobre a luta do poder na Europa.

"A União Europeia é um projecto falhado. Não pode representar aquilo que promete e o que representa é o contrário do que prometeu. Prometia convergência e tem divergência. Prometia melhoria social e tem, pelo contrário, a degradação das condições de vida das classes populares", afirmou.

Para o antigo coordenador do BE, "a saída é sempre imperativa para que haja uma alternativa em que se possa recuperar soberania, decisão, democracia, capacidade do povo poder fazer escolhas".

O conselheiro de Estado perguntou, tal como na "Guerra dos Tornos", "se a exibição do poder é suficiente para manter o poder", considerando que a resposta é Maquiavel porque "hoje a Europa só pode garantir a exibição do poder" usando o argumento de que "é preferível ser temido do que ser amado".

"Aquilo que é legítimo já não é soberano. A democracia não pode decidir sobre o que tinha de decidir", lamentou, considerando

Louçã critica que a União Europeia seja "uma máquina de austeridade, privatizações, de pressão e de destruição em permanência", na qual "a burguesia financeira é o centro da estrutura do poder do capital porque é o centro da acumulação do capital".

"Em alguma medida não precisávamos que o Durão Barroso fizesse o favor de nos lembrar disso ao passar da Comissão Europeia para presidente da Goldman Sachs, mas isso é mais um dos elementos de gratidão que nós temos em relação a ele: é dizer-nos que o poder político está no bolso do poder financeiro e o poder financeiro não se esquece dos seus", ironizou.

O antigo coordenador bloquista evidenciou que "quanto pior a Europa é", mais é dito: "aguenta, aguenta porque isto vai-se corrigir".

"Nós ficamos com pena suspensa porque não há sanções agora. Que bom que é, então eles estão-nos a entender", disse, avisando que "este discurso é muito perigoso" uma vez que é dito que nada seja feito que "incomode os poderosos".

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba a nossa newsletter das 17h30.


Notícias relacionadas

Avenida da Liberdade: Europa e esperança
Os portugueses, tal como todos os cidadãos do mundo, precisam de esperança. Mas ela escasseia, por culpa exclusiva da política que se revela incapaz de resolver os problemas das sociedades.