Escolha as suas informações

Fogo na Serra da Estrela está “estabilizado”
Portugal 2 min. 12.08.2022
Proteção Civil

Fogo na Serra da Estrela está “estabilizado”

Momento de pausa de um grupo de bombeiros que combateram o incêndio na Serra da Estrela em Folgosinho, Gouveia durante a madrugada de sexta-feira.
Proteção Civil

Fogo na Serra da Estrela está “estabilizado”

Momento de pausa de um grupo de bombeiros que combateram o incêndio na Serra da Estrela em Folgosinho, Gouveia durante a madrugada de sexta-feira.
Foto: LUSA
Portugal 2 min. 12.08.2022
Proteção Civil

Fogo na Serra da Estrela está “estabilizado”

Lusa
Lusa
Na sexta-feira, na localidade de Linhares, cerca de 200 pessoas foram “confinadas numa unidade hoteleira, no Inatel, por uma questão de precaução e salvaguarda", segundo a Proteção Civil.

O incêndio que deflagrou no sábado em Garrocho, no concelho da Covilhã, distrito de Castelo Branco, “está estabilizado, não ainda dominado”, de acordo com a Proteção Civil, que registou esta sexta-feira um ferido por “doença súbita” entre os sapadores florestais.

“Podemos dizer que o incêndio, neste momento, não apresenta expansão da sua área [...]. Portanto, diria que está estabilizado, é um termo que se pode aplicar apesar de não ser um estado da evolução do incêndio, mas não consideramos ainda como dominado”, admitiu o segundo comandante da Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC), Miguel Cruz.

Miguel Cruz explicou que há “áreas muito quentes com pequenas reativações” que podem progredir para áreas não queimadas e “aumentar a propagação do incêndio”.

“E temos outras, […] já em zonas queimadas, que consideramos ilhas e, portanto, não têm grande problema, a não ser que possam originar projeções”, acrescentou.


Um helicóptero efetua descarga de água sobre uma floresta na aldeia de Sameiro, perto da vila de Manteigas, a 10 de agosto
Comissão Europeia monitoriza fogo na Serra da Estrela
Esta manhã, 1.607 elementos das forças de socorro e segurança, apoiados por 477 viaturas e 14 meios aéreos, combatiam as chamas.

Numa conferência de imprensa do final do dia de sexta-feira Miguel Cruz admitiu que a tarde foi “mais calma”, até porque o incêndio “não sofreu acréscimos significativos da sua área” estando, no momento, “com algumas reativações no seu perímetro” e “alguns perímetros com chama”.

O incêndio deflagrou na madrugada do dia 06 em Garrocho, no concelho da Covilhã, no distrito de Castelo Branco, e as chamas estenderam-se depois ao distrito da Guarda, nos municípios de Manteigas, Gouveia, Guarda e Celorico da Beira.

 Efetivo no terreno vai manter-se sem alterações   

“Temos algumas partes que podemos considerar, alguns setores, que estão em fase de vigilância e ações consequentes de rescaldo, tendo em vista a sua extinção. Mas, temos outras partes, nomeadamente na zona de maior propagação do incêndio e essencialmente nos concelhos da Guarda, Celorico da Beira e Manteigas, onde temos faixas com bastante continuidade em termos de calor”, especificou.

O responsável adiantou ainda que “o efetivo no terreno vai manter-se sem alterações” e vai ser feito “também um trabalho de reorganização no teatro de operações” para garantir que permanentemente todo o “perímetro está circundado por meios que permitam atacar quaisquer reativações que possam ocorrer”.

Miguel Cruz contou igualmente que, ao longo do dia de hoje, “um sapador florestal de Abrantes teve de ser encaminhado para o hospital [da Guarda], por doença súbita, uma convulsão”, sem conseguir explicar se foi ou não provocada pelo incêndio, tendo sido considerado “um ferido ligeiro”.

Ainda segundo o comandante, durante a tarde, na localidade de Linhares, cerca de 200 pessoas foram “confinadas numa unidade hoteleira, no Inatel, por uma questão de precaução e salvaguarda, porque o incêndio ao passar provocou projeções para o interior da povoação”.

O responsável salientou que a localidade “não foi evacuada”, tendo as cerca de duas centenas de pessoas ficado confinadas “durante o período da passagem do incêndio, entre três a quatro horas, sensivelmente”.


Incêndio na aldeia de Sameiro, na encosta Norte da Serra da Estrela.
Já arderam cerca de 10 mil hectares na Serra da Estrela
O fogo ainda não foi contido.

Miguel Cruz admitiu que “a maior dificuldade” que existe agora é a de “garantir a gestão de todo o perímetro para evitar reacendimentos, novos avanços do incêndio e acréscimos de área”.

“Vamos ter ainda vento com alguma intensidade durante o final do dia e valores de humidade relativa reduzidos durante a noite”, disse, salientando que esses fatores não permitem que “o perímetro vá arrefecendo” e exigem vigilância.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas