Escolha as suas informações

Fernando Medina. Situação em Lisboa deve-se a "más chefias e pouco exército"
Portugal 2 min. 30.06.2020

Fernando Medina. Situação em Lisboa deve-se a "más chefias e pouco exército"

Fernando Medina. Situação em Lisboa deve-se a "más chefias e pouco exército"

Foto: Lusa
Portugal 2 min. 30.06.2020

Fernando Medina. Situação em Lisboa deve-se a "más chefias e pouco exército"

O presidente da Câmara Municipal de Lisboa, Fernando Medina, considera que o aumento do número de infetados por covid-19 na região se deve a "más chefias" e à falta de profissionais no terreno, exigindo respostas rápidas.

Fernando Medina disse na segunda-feira no espaço de comentário na TVI24 que "com maus chefes e pouco exército não é possível ganhar esta guerra".

"É uma nota direta a todos os responsáveis relativamente a esta matéria, que é preciso agir rápido. Ou há capacidade de conter isto rápido ou então têm de ser colocadas as pessoas certas nos sítios certos", sublinhou.

De acordo com o autarca, ou as chefias conseguem em poucos dias em matéria de saúde pública na região de Lisboa pôr ordem na casa e dar sinais claros de que têm a situação sob controlo ou têm de ser reavaliadas.

"Têm de ser reavaliadas nos sítios em que não funcionam naturalmente. Há sítios em que funcionam muito bem, noutros não estão a funcionar. Isto é válido ao nível local e regional. O ministério [da Saúde] tem de prestar uma atenção central a isto", frisou.

No entendimento de Fernando Medina, que é também presidente da Área Metropolitana de Lisboa, o problema pode ser resolvido em parte com capacidade de direção e organização e recursos.

"Isto é um alerta claro: chefias, qualidade das chefias. Ou dão provas de conseguir ou se não dão provas de conseguir agora é essencial que sejam mudadas agora, não é daqui a uma semana, 15 dias ou um mês. Daqui a um mês é tarde e vamos estar a correr atrás de um prejuízo", disse.

Na opinião do presidente da Câmara de Lisboa, é também essencial aumentar o "exército de saúde pública" no terreno.

"Esta questão que já está endereçada em parte pela admissão de mais 100 novos operacionais na área da saúde pública, mas na minha opinião tem que aumentar mais 100, mais 200, mais 300. Vamos buscar ao exército onde for, vamos buscar a qualquer sítio. Este exército de operacionais de saúde pública tem de aparecer já nos próximos dias", sublinhou.

Fernando Medina destacou também como essencial a ação de equipas mistas, que juntam saúde, Segurança Social, proteção civil e câmaras, os recursos para saber avaliar caso a caso se as pessoas têm ou não condições para estar confinadas e se não têm arranjar soluções.

No habitual espaço de comentário da TVI24, o autarca disse também que as falhas na região de Lisboa deveram-se a vários motivos, entre os quais o sentimento pela população de que o problema estava ultrapassado, uma falsa sensação de segurança e de vitória sobre o vírus e má preparação relativamente ao confinamento.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas