Escolha as suas informações

Exército iniciou envio de viaturas para reforçar capacidade da missão na RCA
Portugal 20.12.2018 Do nosso arquivo online

Exército iniciou envio de viaturas para reforçar capacidade da missão na RCA

Exército iniciou envio de viaturas para reforçar capacidade da missão na RCA

Foto: Lusa
Portugal 20.12.2018 Do nosso arquivo online

Exército iniciou envio de viaturas para reforçar capacidade da missão na RCA

Conselho de Segurança das Nações Unidas renova por um ano missão de paz na República Centro-Africana

O Exército iniciou hoje o envio de dez viaturas blindadas para reforçar a capacidade de proteção e transporte do contingente português na missão da ONU na República Centro Africana (RCA), anunciou o ramo.

As primeiras três viaturas PANDUR seguiram hoje de madrugada a bordo de uma aeronave ANTONOV NA-124 a partir da base aérea n.º 11, em Beja, e as restantes, mais três PANDUR e quatro UNIMOG, serão enviadas até ao dia 28.

O Exército enviará também seis contentores sobressalentes e “cerca de 18 toneladas de material diverso” para “assegurar à força portuguesa “as necessárias condições para a condução das operações militares” naquele teatro de operações.

Depois da projeção do material, seguirão os 14 militares que vão operar as viaturas PANDUR, precisou à Lusa a porta-voz do Exército, major Elisabete Silva.

A operação é realizada com recurso a uma aeronave Antonov NA-124, ucraniana, contratada pelo Exército ao abrigo de um protocolo entre a NATO e a União Europeia, que visa apoiar os países que não tem capacidade de projeção estratégica, segundo o comunicado do Exército.

Portugal tem 159 militares paraquedistas na missão da ONU na RCA, construídos como força de reserva do comandante da missão, general Balla Keita. A MINUSCA visa a proteção de civis e a estabilização do país.

O conflito na RCA, com o tamanho da França e uma população que é menos de metade da portuguesa (4,6 milhões, já provocou centenas de milhares de mortos entre os civis, 700 mil deslocados e 570 mil refugiados, e colocou 2,5 milhões de pessoas a necessitarem de ajuda humanitária.


Notícias relacionadas