Escolha as suas informações

Este ano não há concertos de "réveillon" em Lisboa nem fogo de artifício no Porto
Portugal 2 min. 03.12.2021
Covid-19

Este ano não há concertos de "réveillon" em Lisboa nem fogo de artifício no Porto

Covid-19

Este ano não há concertos de "réveillon" em Lisboa nem fogo de artifício no Porto

Portugal 2 min. 03.12.2021
Covid-19

Este ano não há concertos de "réveillon" em Lisboa nem fogo de artifício no Porto

Lusa
Lusa
Presidente da Câmara Municipal de Lisboa diz ainda que está “a estudar se haverá ou não fogo-de-artifício”. Porto também cancelou festejos de fim de ano. Pedro Santana Lopes ainda não decidiu se faz o mesmo na Figueira da Foz. “Cancelar os festejos é uma tristeza e custa-me um bocado", disse o autarca.

O presidente da Câmara Municipal de Lisboa, Carlos Moedas (PSD), disse que os concertos na noite de fim de ano serão cancelados, porque “criaria um grande aglomerado de pessoas”, alertando que anunciará “grandes restrições” nos próximos dias.

Em declarações ao canal de informação CNN Portugal, na noite de quinta-feira, o social-democrata adiantou ainda que está “a estudar se haverá ou não fogo-de-artifício”.

“Nos próximos dias tomarei a decisão de restringir aquilo que são os festejos do fim do ano, ou seja, não haverá os típicos concertos na noite do 31, porque isso criaria um grande aglomerado de pessoas. E estamos a estudar se haverá ou não o fogo de artifício […], mas tomarei uma decisão muito rapidamente. […] Haverá seguramente grandes restrições e dentro de um dia ou dois poderei anunciar essa decisão”, indicou.

Porto também cancelou festejos de fim de ano

A tomada de posição de Carlos Moedas surge um dia depois de o presidente da Câmara do Porto, Rui Moreira (Independente), ter cancelado os festejos de fim de ano na cidade nortenha, devido à situação pandémica.

“[…] Era nossa intenção fazer o fogo-de-artifício na praia, mas as circunstâncias são o que são e temos de nos ajustar”, explicou à imprensa o autarca, à margem da inauguração da iluminação de Natal, no Palácio de Cristal.

Figueira da Foz aguarda por evolução da pandemia para decidir

O município da Figueira da Foz vai aguardar pela evolução da pandemia da covid-19 antes de tomar qualquer decisão sobre o cancelamento dos festejos de fim de ano, disse esta sexta-feira o presidente Pedro Santana Lopes.

“Cancelar os festejos é uma tristeza e custa-me um bocado, pelo que prefiro esperar mais uns dias e ver a evolução da situação”, referiu o autarca na sessão de Câmara desta sexta-feira, salientando que vai “aguardar para a semana” até tomar uma decisão definitiva.

Os festejos do ‘réveillon’ previstos para a cidade, na Praça Dr. João Ataíde, com a participação do cantor Matias Damásio e vários DJs, podem ser transferidos para o Coliseu Figueirense, com capacidade para 4.000 pessoas, de forma a respeitar todas as regras da Direção-Geral da Saúde.

“Devemos ter calma e se tivermos de cancelar, cancelamos”, sublinhou Santana Lopes, que manifestou alguma esperança em que o número de casos da covid-19 esteja a estabilizar e a iniciar um ponto de inflexão, citando opiniões de alguns especialistas.

No entanto, também não deixou de alertar para as “previsões alarmistas, que até podem ser realistas”, da diretora-geral da Saúde, Graça Freitas, de que o número de infeções iria duplicar até à quadra natalícia.

Para apoiar a testagem aos clientes dos restaurantes e população em geral, o município da Figueira da Foz contratou uma unidade móvel, que vai estar disponível às quintas e sextas-feiras, sábados e vésperas de feriado numa zona da cidade, que ainda vai ser anunciada.

Segundo o presidente da Câmara, os testes serão tendencialmente gratuitos.


Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas