Escolha as suas informações

Em Lisboa alugam-se contentores para habitação a 600 euros/mês
Portugal 4 4 min. 16.08.2019

Em Lisboa alugam-se contentores para habitação a 600 euros/mês

Em Lisboa alugam-se contentores para habitação a 600 euros/mês

Portugal 4 4 min. 16.08.2019

Em Lisboa alugam-se contentores para habitação a 600 euros/mês

Paula SANTOS FERREIRA
Paula SANTOS FERREIRA
Têm apenas 12 metros quadrados, sem ar condicionado e ficam no fundo de um quintal. A autarquia já atuou e encerrou o negócio. Os preços das casas estão a chegar aos do Luxemburgo.

Esta é a versão moderna dos bidonvilles de Paris. ‘Expo Marvilha Ecotainer’. Era este o nome pomposo dado a seis contentores descritos como ‘ecocontentores’, de 12 metros quadrados, mais áreas comuns, que estavam para alugar em Lisboa, por 600 euros por mês. O anúncio nas plataformas online possuía várias imagens dos contentores “reciclados”.  

A denúncia foi feita pela página do Facebook do grupo ‘Morar em Lisboa’ e divulgada na imprensa portuguesa. Afinal, tudo estava ilegal e rapidamente a autarquia da capital ordenou a sua remoção e abriu um processo de contraordenação.  Veja aqui as imagens do anúncio da Imovirtual.

No anúncio dizia-se que os contentores estavam num descampado verde, como mostrava uma das imagens do anúncio, mas o Diário de Notícias investigou e descobriu que era mentira, estavam no fundo de um quintal pequeno de uma casa. Cada um albergava no máximo duas pessoas que podiam dormir num “beliche ou numa cama de casal”. 

Sala de refeições em área comum

De tipologia TO o espaço era exíguo e além do local onde estava o beliche ou cama tinha apenas uma pequena casa de banho com um lavatório, sanita e chuveiro. Havia depois o “espaço comunitário” para as refeições e uma sala, adiantava o anúncio. E acrescentava que estes ‘bidonvilles’ da atualidade estavam instalados numa propriedade privada com arvoredo e que o complexo tinha perto de “400 metros de áreas comuns”.

De acordo com o Diário de notícias, os fiscais da Câmara Municipal de Lisboa visitaram os contentores na sequência de várias queixas, ordenando a remoção dos contentores, tendo a autarquia já instaurado um “processo de contraordenação” ao proprietário. "Já tinha visto uma caravana, mas contentores nunca", disse um dos fiscais ao DN, declarando que o aluguer de contentores era até à data “um caso único”.

Informações falsas

Em declarações a este diário português, João Mendonça, que se identificou como responsável pela imobiliária que geria o arrendamento daqueles contentores disse que os seis “apartamentos” como lhes chamou – o anúncio também definia assim os contentores - já estavam arrendados “a estrangeiros” e que eram uma "boa solução para quem quer ter uma segunda casa, em Lisboa". Aliás, como frisou este é "um conceito do norte da Europa" que se quis trazer para Portugal.

“Assim vai o sucesso de Lisboa: ora apartamentos de luxo a nascer como cogumelos ora...contentores de 12 metros quadrados, com áreas comuns, a 600 euros. Soluções de emergência para a crise da habitação? Ainda havemos de chegar a ver tendas de campismo por este preço?”, lê-se na mensagem do Facebook do grupo ‘Morar em Lisboa’ que denunciou a situação e onde mostra o anúncio do aluguer dos contentores. Depois da polémica o anúncio foi retirado das plataformas online onde estava como a agência Imovirtual e na OLX.

A área onde estavam os contentores parecia ter uma vista desafogada - o que não corresponde à verdade, segundo explicava o DN, esclarecendo que estes estavam demasiado próximos e fixos numa área pequena, além de que não tinham ar condicionado.

Caravana a 600 euros e T1 a 4200 euros por mês

Já em Maio a revista Sábado denunciava várias situações excessivas devido aos preços altos dos arrendamentos em Lisboa, a da tal caravana a 600 euros por mês, de que falava o fiscal da câmara, a de quartos arrendados a 650 euros mês e de um apartamento T1 de 70 metros quadrados por 4200 euros por mês. Neste último caso que foi denunciado pela página do Facebook ‘Negócios de Sonho’ o preço da renda deste apartamento em pleno Chiado era 147% mais alto do que o praticado naquela zona, em que em que o aluguer fica pelos €1.699,29.

Atualmente, no mundo do arrendamento em Lisboa tudo parece ser possível. O município da capital é o que possui o arrendamento mais caro do país, de 11,16 € por metro quadrado, segundos os dados do Instituto Nacional de Estatística (INE) relativos ao segundo semestre de 2018.

Venda em Lisboa 29% mais cara que resto do país

Lisboa é a que apresenta também os preços de venda das casas mais elevados de Portugal. 

Um estudo divulgado pela plataforma online Imovirtual concluiu que o preço médio da venda de apartamentos ou moradias em Lisboa é 29% superior ao de Portugal. 

Durante o segundo trimestre do ano, a capital atingiu os 307 387,36 euros de preço médio anunciado por casa, enquanto a média do país inteiro se situa nos 238 159,05 euros.




Notícias relacionadas

Apartamentos aumentaram 12% no último ano
Dados do Grupo atHome revelam que a média da renda para um apartamento é de 1.520 euros, enquanto para uma casa se situa nos 2.892 euros, tendo subido 10%. O aumento nos preços para compra de apartamentos e de casas chegou a 12 e 11%, respetivamente.
Comprar um apartamento na capital está 66% mais caro
Comprar um apartamento na cidade do Luxemburgo está mais caro. É uma constatação quase de senso comum hoje em dia, mas o instituto luxemburguês de investigação socio-económica (Liser) quantificou o aumento concreto dos preços nos últimos anos. O veredito é o de que os preços para comprar um apartamento na capital do país dispararam 66,1% entre 2008 e 2017.
European institutions buildings Court of Auditors, Court of Justice, European Investment Bank and European Parliament - Luxembourg city