Escolha as suas informações

Derrocada na Madeira ocorreu em zona não sinalizada como perigosa
Portugal 26.09.2021
Funchal

Derrocada na Madeira ocorreu em zona não sinalizada como perigosa

Funchal

Derrocada na Madeira ocorreu em zona não sinalizada como perigosa

Foto: Lusa
Portugal 26.09.2021
Funchal

Derrocada na Madeira ocorreu em zona não sinalizada como perigosa

Lusa
Lusa
A queda de pedras atingiu o passeio marítimo entre a praia Formosa, no Funchal, e o concelho contíguo de Câmara de Lobos, diariamente frequentado por centenas de pessoas. Não houve feridos.

A derrocada de grandes dimensões que atingiu hoje o passeio marítimo junto à praia Formosa, no Funchal, ocorreu numa área da escarpa que não estava identificada como zona de risco, indicou o presidente do Governo Regional da Madeira.

"Fizemos uma vistoria a toda a 'promenade', sobretudo às zonas de risco, durante o mês de junho. Esta não era identificada como zona de risco", disse Miguel Albuquerque, no local da derrocada, mesmo ao lado de uma unidade hoteleira.

A queda de pedras atingiu o passeio marítimo entre a praia Formosa, zona oeste do Funchal, e o concelho contíguo de Câmara de Lobos, diariamente frequentado por centenas de pessoas, mas não atingiu ninguém, embora duas pessoas – um adulto e uma criança – tenham sido transportadas para o hospital devido ao estado de ansiedade em que se encontravam.


Derrocada de grande dimensão ocorreu na Praia Formosa, no Funchal.
Derrocada de grandes dimensões na Madeira não provoca vítimas
Não há vítimas a registar, segundo o presidente do Governo Regional da Madeira.

De acordo com o Serviço Regional de Proteção Civil da Madeira, a derrocada ocorreu cerca das 19:00 e foram mobilizadas para o local sete ambulâncias afetas aos bombeiros Sapadores do Funchal, Cruz Vermelha Portuguesa, Bombeiros Voluntários de Câmara de Lobos, e duas viaturas da Equipa Médica de Intervenção Rápida (EMIR), totalizando 41 operacionais.

"Vamos interditar a 'promenade' nos próximos dias, fazer a limpeza e depois vamos fazer a consolidação do talude com rede", disse Miguel Albuquerque, sublinhando que o Governo Regional, entidade responsável pela gestão do passeio marítimo, tem feito "grandes investimentos" na proteção das escarpas.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.