Escolha as suas informações

Depois de Cristina Ferreira, André Ventura também quer ser Presidente
Portugal 12.01.2020

Depois de Cristina Ferreira, André Ventura também quer ser Presidente

Depois de Cristina Ferreira, André Ventura também quer ser Presidente

Foto: LUSA
Portugal 12.01.2020

Depois de Cristina Ferreira, André Ventura também quer ser Presidente

O comentador da CMTV quer ser o "presidente antissistema" mas o partido não está convencido. Em fevereiro há decisão final.

O líder do Chega, André Ventura, admitiu que o partido está divido em relação à sua eventual candidatura à Presidência da República e remeteu para fevereiro o anúncio da decisão final.

"Ficou claro que não há unanimidade dentro do partido, entre os conselheiros nacionais, em relação a uma eventual candidatura minha à Presidência da República", disse à agência Lusa, no final do Conselho Nacional do Chega, realizado hoje na Nazaré.

No encontro que teve como objetivo ouvir os conselheiros sobre a escolha do candidato a Presidente da República foi patente "uma divisão quase igualitária" entre os que defendem a candidatura do líder e aqueles que "defendem que não seja [candidato], com os riscos que isso pode ter na questão do exercício do mandato como deputado na Assembleia da República", afirmou André Ventura.

Ainda assim, o fundador do partido não descarta a possibilidade de candidatar-se à Presidência da República, tema sobre o qual estará "em reflexão" até ao próximo mês de fevereiro, altura em que anunciará a decisão num novo Conselho Nacional, em Portalegre.

Na reunião ficou ainda assente que "o Chega não coloca a hipótese de apoiar a candidatura de Marcelo Rebelo de Sousa", acrescentou André Ventura.

O perfil do candidato "terá que ser o de alguém claramente antissistema, claramente para pôr o dedo na ferida nos processos anti-corrupção, nos processos de falta de transparência e nos processos de verdadeiro saque em que está o estado democrático hoje", concluiu.

Lusa


Notícias relacionadas

A extrema-direita elege um deputado em Portugal
Pela primeira vez desde a queda da ditadura em 1974 a extrema-direita consegue entrar no Parlamento de São Bento. O feito deve-se a um professor de direito e comentador de futebol numa das estações de televisão mais vistas em Portugal.