Escolha as suas informações

Crise energética em Portugal. Menos iluminação no Natal e mais teletrabalho
Portugal 3 min. 27.09.2022
Energia

Crise energética em Portugal. Menos iluminação no Natal e mais teletrabalho

Funchal, Madeira, 2020
Energia

Crise energética em Portugal. Menos iluminação no Natal e mais teletrabalho

Funchal, Madeira, 2020
Foto: LUSA
Portugal 3 min. 27.09.2022
Energia

Crise energética em Portugal. Menos iluminação no Natal e mais teletrabalho

Lusa
Lusa
O governo português anunciou hoje o plano de poupança de energia 2022-2023 que vai implementar ao longo dos próximos meses.

O Governo vai limitar a iluminação decorativa no Natal para o período entre as 18:00 e as 24:00, controlar as temperaturas da climatização interiores e apela ainda para a avaliação do recurso ao teletrabalho para poupar energia.

De acordo com o plano de poupança de energia 2022-2023, hoje publicado numa resolução de Conselho de Ministros, o Governo vai implementar ao longo dos próximos meses várias medidas de poupanças, que no caso da Administração Central serão obrigatórias.


Carta à UE. Luxemburgo não se juntou a países que pedem teto para preço do gás
Portugal é um dos 12 Estados-membros que, numa carta conjunta, pedem à Comissão Europeia que apresente uma proposta para limitar o preço do gás. O Grão-Ducado ficou de fora.

Assim, a iluminação interior de caráter decorativo de edifícios será desligada a partir das 22:00 no período de inverno e a partir das 23:00 no período de verão e no exterior a partir das 24:00, “salvaguardando questões de segurança”.

Além disso, ficou estabelecido que “de 06 de dezembro de 2022 a 06 de janeiro de 2023” serão ajustados “os períodos de utilização da iluminação natalícia para o horário entre as 18:00 e as 24:00”.

Terá ainda de ser desligada a iluminação interior sempre que o espaço não esteja em uso e após o horário de trabalho, promovida uma maior utilização de luz natural e outras medidas.

De acordo com o plano, as temperaturas dos equipamentos de climatização interior serão reguladas “para o máximo de 18.°C no inverno e o mínimo de 25.°C no verão” entre outras iniciativas.

No que diz respeito à água, o executivo pretende a “redução do tempo de água corrente e adequação da temperatura da água do sistema de aquecimento à estação do ano”, bem como a “redução da quantidade de água utilizada na lavagem de pavimentos”, reduzir o “número de lavagens de veículos” e outras estratégias.

Além disso, a rega será programada “para horários de menor evaporação” ligando-se depois das 20:00 no período de verão e das 17:00 no período de inverno.


ONU. “Gravidade da seca em Portugal é impressionante”
De acordo com um especialista da ONU, o maior utilizador de água no país é o setor agrícola, sendo importante apostar em tipos de culturas que requerem menos água para o seu desenvolvimento.

O Governo destacou ainda a “adoção de práticas de gestão dos recursos humanos que permitam a redução dos consumos energéticos (por exemplo, avaliando as poupanças energéticas do recurso ao teletrabalho), sempre que viável” bem como “ações de informação no âmbito das poupanças associados ao consumo energético, bem como das deslocações casa -trabalho-casa”.

Por outro lado, entre as recomendações para a administração local, muitas delas semelhantes ao que será obrigatório na central, conta-se a “regulação da temperatura da água de piscinas interiores para 26.°C e diminuição de 2.°C na temperatura de aquecimento ambiente onde se inserem as piscinas cobertas (para 28.°C)”.

Também para os privados há várias medidas semelhantes, mas o Estado recomenda ainda a “redução do tempo de água corrente de banhos e duches e adequação da temperatura da água do sistema de aquecimento à estação do ano” e a “minimização do número de utilizações da máquina de lavar roupa e máquina de lavar louça, utilizando a sua capacidade máxima”, entre outras.

“Na sua totalidade, as medidas apresentadas no Plano de Poupança de Energia 2022-2023 poupam 188 mcm [milhões de metros cúbicos] de gás natural, o que representa 5% do consumo face ao período de referência”, lembrou o executivo no diploma.

“O Plano de Poupança de Energia 2022-2023 contempla medidas com prazo de implementação inferior a três meses, e que representam uma redução de 3% face ao período de referência”, sendo que “atendendo ao objetivo voluntário de redução de 15% do consumo, consegue-se alcançar 19 % do objetivo com as medidas imediatas e 31% do objetivo com o total das medidas”. 

No entanto, “no caso de ser declarado alerta da União, o Plano de Poupança de Energia 2022-2023 passará a ser de caráter obrigatório e poderá contemplar medidas excecionais”, alertou.

O Contacto tem uma nova aplicação móvel de notícias. Descarregue aqui para Android e iOS. Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas