Escolha as suas informações

Covid aumentou corrupção em Portugal? Portugueses acham que sim
Portugal 2 min. 10.10.2021
Pandemia

Covid aumentou corrupção em Portugal? Portugueses acham que sim

Pandemia

Covid aumentou corrupção em Portugal? Portugueses acham que sim

Portugal 2 min. 10.10.2021
Pandemia

Covid aumentou corrupção em Portugal? Portugueses acham que sim

Lusa
Lusa
A covid proporcionou mais possibilidades para a corrupção e os políticos e empresários são os mais apontados para cometer ilegalidades, assim entendem os portugueses, de acordo com um novo estudo nacional.

Mais de metade dos inquiridos num estudo de opinião da Universidade de Lisboa divulgado ontem considera que a corrupção aumentou no último ano, associando principalmente políticos e empresários a atos de corrupção.

No estudo, realizado pelo Instituto de Ciências Sociais, 53% dos inquiridos concordou com a ideia de que a corrupção aumentou, opinião mais prevalente entre mulheres, pessoas que se declaram politicamente de esquerda e com níveis de rendimento e instrução intermédios.

A maior parte dos inquiridos acha que a pandemia fez aumentar as oportunidades para a corrupção, uma ideia que tem mais expressão entre homens, pessoas de direita e instrução e rendimentos mais elevados.


O fundador e ex-presidente do Banco Privado Português (BPP), João Rendeiro, à saida do Campus de Justiça onde decorre o julgamento do processo relacionado com o veículo criado no universo BPP para investir especificamente em ações do Banco Comercial Português (BCP), onde é acusado pelo Ministério Público de burla qualificado, em Lisboa, 12 de fevereiro de 2014. O julgamento de três ex-gestores do BPP, João Rendeiro, Paulo Guichard e Salvador Fezas Vital, tem início esta manhã enquanto decorre a investigação do processo principal do caso BPP. MÁRIO CRUZ / LUSA
Crimes & escapadelas
Confirma-se a velha maldição: nenhum banqueiro é preso em Portugal. Os lesados, lesados ficam. Na arte de fugir, Rendeiro não está só.

Políticos e empresários "corruptos"

Questionados sobre a ligação entre profissões e prevalência de corrupção, em média responderam achar que 69 em cada 100 políticos e 51 em cada 100 empresários são corruptos.

Quanto aos funcionários públicos, as respostas apontam para 40% de prevalência de corrupção, valor próximo dos 39% percebidos em relação aos cidadãos em geral.

Entre as palavras que mais associam a corrupção, "políticos" é aquela que foi mais referida, seguida de "dinheiro" e "roubar".

Apenas 7% dos inquiridos declarou que algum funcionário público lhe pediu ou deu a entender que queria presentes ou favores em troca de serviços ou pediu um suborno, situações reportadas com mais frequência por pessoas com rendimentos baixos.

A percentagem sobe para 18% quanto a situações em que os inquiridos conhecem pessoas que tiveram problemas resolvidos com presentes, favores ou subornos.

Apesar de a maioria dizer que a corrupção aumentou no último ano, 73% declara que o fenómeno não afetou "nem mais nem menos" as suas vidas, contra 22% que afirma que o período de pandemia fez com que as suas vidas profissionais ou pessoais fossem mais afetadas.


Ex-administrador condenado regressa a Portugal disposto a entregar passaporte
Paulo Guichard foi condenado a nove anos de prisão mas a pena não transitou em julgado. Vive no Brasil mas vai voltar para Portugal para comparecer em tribunal, por temer suspeições públicas após a fuga de João Rendeiro.

"Inútil" denunciar

Apenas 1% declarou que denunciaria sempre qualquer caso de corrupção de que tomasse conhecimento. Entre as razões para não denunciar, domina a ideia de que seria inútil (33%), de que o tempo e o custo não compensam (17%), medo de represálias (15%) e desconhecimento da autoridade a quem recorrer (10%).

Quando confrontados com situações hipotéticas no âmbito de cargos políticos e públicos, os inquiridos associaram a corrupção atos que não cabem na definição penal, como abuso de poder ou peculato.

O inquérito do Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa, assente em 1.020 entrevistas presenciais, foi realizado entre dezembro de 2020 e abril de 2021.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.