Escolha as suas informações

Covid-19. Vacina portuguesa com resultados promissores nos ensaios pré-clínicos
Portugal 15.04.2021

Covid-19. Vacina portuguesa com resultados promissores nos ensaios pré-clínicos

Equipa Immunethep

Covid-19. Vacina portuguesa com resultados promissores nos ensaios pré-clínicos

Equipa Immunethep
Portugal 15.04.2021

Covid-19. Vacina portuguesa com resultados promissores nos ensaios pré-clínicos

Lusa
Lusa
Os ensaios pré-clínicos, em animais, da vacina portuguesa contra o novo coronavírus, que está a ser desenvolvida na Immunethep, em Cantanhede, revelam resultados promissores na capacidade de produção de anticorpos específicos.

Em comunicado enviado à agência Lusa, a biotecnológica Immunethep prevê iniciar nos próximos meses os ensaios clínicos em humanos da vacina SILBA, que tem a particularidade de ser administrada por via intranasal.


Equipa Immunethep
Vacina portuguesa pode ser aprovada no próximo ano. "A prioridade é vacinar em Portugal"
Portugal também está na corrida às vacinas. Numa altura em que há atrasos na entrega de vacinas e atrasos dos planos de vacinação, uma empresa do norte está confiante que o país terá vacina própria aprovada no início do próximo ano.

Pedro Madureira, cofundador e diretor científico da Immunethep, salienta que, "através destes ensaios clínicos, foi possível confirmar a capacidade de os anticorpos produzidos neutralizarem a propagação do vírus em culturas de células ‘in vitro'".

"Os dados obtidos até ao momento são muito promissores e indicadores do potencial desta vacina, uma vez que, através dos dados que se conhecem das vacinas já existentes, anticorpos contra este domínio RBD da proteína Spike, estão associados a uma proteção contra a covid-19", afirma Bruno Santos, cofundador e diretor executivo da Immunethep.

Segundo o responsável, trata-se de "excelentes indicadores para os ensaios de eficácia em curso que se tenciona terminar no final de maio, dando lugar aos ensaios clínicos em humanos".

A vacina em desenvolvimento pela Immunethep atua na prevenção da covid-19 e utiliza o vírus inativado, que "reduz muito a probabilidade de haver novas variantes do vírus SARS-CoV-2 que escapem à vacina".

O comunicado frisa que o facto de a vacina ser de administração intranasal "permite maximizar a imunidade ao nível das mucosas pulmonares, canal preferencial de entrada do vírus no organismo".

"A Immunethep mantém uma parceria com a PNUVAX, fabricante global de vacinas no Canadá e continua a desenvolver esforços para a concretização do investimento necessário por parte das entidades governamentais portuguesas para poder avançar rapidamente para os ensaios clínicos em humanos no segundo semestre do ano, como planeado", refere.

Desde a sua fundação, em 2014, que a Immunethep se tem dedicado ao desenvolvimento de imunoterapias, principalmente contra infeções bacterianas multirresistentes, contando atualmente com 10 colaboradores.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas