Escolha as suas informações

Covid-19. Startup portuguesa oferece consultas médicas gratuitas em videochamada
Portugal 3 min. 20.03.2020

Covid-19. Startup portuguesa oferece consultas médicas gratuitas em videochamada

Covid-19. Startup portuguesa oferece consultas médicas gratuitas em videochamada

Foto: AFP
Portugal 3 min. 20.03.2020

Covid-19. Startup portuguesa oferece consultas médicas gratuitas em videochamada

Ana B. Carvalho
Ana B. Carvalho
A Knok Healthcare é uma das 120 empresas do movimento tech4COVID19 que pretende encontrar soluções tecnológicas para a gestão da crise atual.

A tecnologia tem sido uma forte aliada do combate à pandemia que está a parar o mundo. Em Portugal, foram várias as startup que se uniram para criar soluções que possam facilitar a guerra contra a Covid-19. Entre elas está a Knok Healthcare , que a partir desta quinta-feira facilitará um serviço de prestação de cuidados de saúde primários gratuito através de videochamadas.

Trata-se de uma empresa made in Portugal que se dedica ao serviço de video-consultas através de uma simples aplicação e plataforma web. Consideram-se pioneiros da telemedicina no país e, como resposta à necessidade de ação perante a crise atual, criaram a Knok4good: um serviço gratuito que reúne 190 médicos voluntários de diferentes especialidades. 

“Neste momento de crise não poderíamos ser indiferentes e queremos fazer a nossa parte, ajudando o país e os portugueses. Avizinham-se problemas graves na área da saúde e da economia, e é o momento de todos contribuirmos para os ultrapassarmos”, dizem em comunicado enviado ao Contacto. “É precisamente aqui que queremos fazer a diferença, oferecendo cuidados de saúde primários gratuitos através de vídeo consulta, com vários médicos que de forma voluntária se juntaram à nossa plataforma”.

A ideia é facilitar a vida ao Serviço Nacional de Saúde e apoiar pacientes, sem que estes tenham de sair de casa. Para o CEO da startup, José Bastos, este serviço é motivo de entusiasmo por se sentirem “parte da solução”.  Garantem uma alternativa segura e de qualidade àqueles que têm evitado recorrer às unidades de saúde, contribuindo assim para “reduzir a pressão sobre o SNS e garantir que todos os que necessitam têm o tratamento adequado”.

Com base no Porto, a tecnologia desenvolvida pela Knok Healthcare “está a auxiliar o acesso à saúde a pessoas de todo o país”.

Startups tecnológicas unidas contra a pandemia 

A Knok Healthcare é uma das 120 empresas do movimento tech4COVID19, que surgiu no Porto, de uma conversa informal entre fundadores de startups tecnológicas portuguesas. O objetivo? Unirem-se para encontrar soluções  na luta contra a Covid-19. São mais de 600 pessoas envolvidas numa comunidade que pretende aliar o conhecimento e desenvolvimento tecnológico perante o desafio da atualidade: o coronavírus.

“O movimento teve início num grupo de WhatsApp de fundadores do ecossistema de startups português. No intervalo das discussões em torno das crises que nos chegam, começaram a surgir ideias”, conta Luís Roque, CEO da HUUB. 

“Como poderia a tecnologia desempenhar um papel no combate ao surto da COVID-19? Criou-se um movimento naquele momento e em menos de 24 horas uma comunidade inteira. Um movimento organizado, com developers, marketeers, gestores, designers e até mesmo médicos ajudando a obter as necessidades urgentes das instituições de saúde”, continua.

O jovem fundador da empresa inovadora do mundo da logística, explica que o tech4COVID ambiciona soluções que passem por melhorar o acesso da população à informação, encontrar formas eficazes de rastrear a propagação da doença ou até mesmo a criação de uma campanha de crowdfunding para comprar materiais como ventiladores, máscaras e outros equipamentos de proteção para hospitais. 

No último, garante que angariaram mais de 20 mil euros, o que considera “encorajador”, pois torna-os cada vez mais próximos do “objectivo de angariar 100 mil euros”. A HUUB, empresa da qual Luís Roque é CEO, está a contribuir para o movimento “disponibilizando a sua plataforma de cadeia de fornecimento para gerir toda a movimentação de materiais: desde instituições que actualmente ajudam com doações, locais de produção e outros fornecedores e entregas às instituições necessitadas”.

Atualmente, os responsáveis pelo tech4COVID19 estão em contacto com profissionais de saúde e com as entidades como a Direção-Geral da Saúde, os Serviços Partilhados do Ministério da Saúde e as Administrações Regionais de Saúde para implementar estas iniciativas.

Neste movimento fazem parte startups e grupos do ecossistema português como a BrightPixel, a Unbabel, a Farfetch, a Forall Phones, a Infraspeak, a Startup Lisboa ou a Startup Portugal.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.