Escolha as suas informações

Covid-19. Festas do Santo Cristo não se realizam nos Açores pela primeira vez em 320 anos
Portugal 3 min. 31.03.2020 Do nosso arquivo online

Covid-19. Festas do Santo Cristo não se realizam nos Açores pela primeira vez em 320 anos

Covid-19. Festas do Santo Cristo não se realizam nos Açores pela primeira vez em 320 anos

Foto: Agência Ecclesia
Portugal 3 min. 31.03.2020 Do nosso arquivo online

Covid-19. Festas do Santo Cristo não se realizam nos Açores pela primeira vez em 320 anos

Lusa
Lusa
As festas do Santo Cristo dos Milagres, as maiores festas religiosas dos Açores, não se vão realizar, pela primeira vez em 320 anos, devido à pandemia da covid-19, anunciou a organização.

A Irmandade do Santo Cristo dos Milagres e o reitor do Santuário do Senhor Santo Cristo dos Milagres decidiram suspender as festas em honra do ‘ecce homo’, mas garantem que a imagem do Santo Cristo vai sair à rua após a normalização da situação.

A decisão de suspensão das festas, que deveriam realizar-se em Ponta Delgada, de 15 a 17 de maio, foi tomada após uma reunião com todos os envolvidos na organização e preparação das festividades.

Em declarações ao sítio Igreja Açores, o reitor do Santuário do Senhor Santo Cristo, o cónego Adriano Borges, defendeu que esta decisão é um sinal de “responsabilidade que se quer dar”, ainda que tenha sido uma “decisão difícil”, pois é a primeira na história deste culto que as festas não se realizam.

“A nossa mensagem tem sido a de um constante apelo à responsabilidade: que toda a gente fique em casa, se proteja, se resguarde porque assim está a tomar conta de si mas também a contribuir para o bem comum. Por isso, a suspensão da festa era a única possibilidade. Em causa está, não só a festa, mas todos os preparativos que exigiriam tempo e uma normalidade que nem a região nem o país permitem”, explicou.

Adriano Borges assegura que, “mal a situação o permita, a imagem sairá excecionalmente à rua para uma celebração de ação de graças”.

O reitor do Santuário acrescentou que as festas “serão reequacionadas” quando “as condições sanitárias o permitirem e a normalidade estiver reposta”.

As maiores festas religiosas dos Açores, que têm como ponto alto a procissão do Santo Cristo dos Milagres, recebem anualmente milhares de pessoas oriundas de todas as ilhas dos Açores e do continente, bem como dos emigrantes oriundos dos Estados Unidos e do Canadá.

Segundo os dados históricos disponíveis, a primeira procissão em honra do Santo Cristo dos Milagres teve lugar em Ponta Delgada, em 11 de abril de 1700, ano em que a ilha de São Miguel foi abalada por fortes sismos.

Nessa altura, as forças vivas da sociedade mobilizaram-se e dirigiram-se ao Mosteiro da Esperança para levarem, em procissão, a imagem do Senhor Santo Cristo dos Milagres.

As festas do Senhor Santo Cristo, que se realizam no quinto domingo a seguir à Pascoa, só uma vez é que tiveram a data alterada e foi para coincidirem com a deslocação aos Açores da comitiva régia liderada pelo Rei D. Carlos e pela Rainha D. Amélia.

A imagem do Santo Cristo só sai da Igreja para acompanhar a procissão nas festas, mas saiu excecionalmente, em maio de 1991, para o Campo de São Francisco durante a visita do papa São João Paulo II aos Açores.

Os Açores têm até agora 47 casos confirmados da covid-19 (18 em São Miguel, nove na Terceira, oito no Pico, sete em São Jorge e cinco no Faial), sendo que 10 pessoas estão internadas nos três hospitais da região, mas apenas um está na unidade de cuidados intensivos.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infetou mais de 750 mil pessoas em todo o mundo, das quais morreram mais de 36 mil.

Dos casos de infeção, pelo menos 148.500 são considerados curados.

Depois de surgir na China, em dezembro, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde a declarar uma situação de pandemia.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.