Escolha as suas informações

Covid-19."Como Portugal fez recuar a maré de coronavírus que inundou Espanha"
Portugal 2 min. 03.05.2020 Do nosso arquivo online

Covid-19."Como Portugal fez recuar a maré de coronavírus que inundou Espanha"

Covid-19."Como Portugal fez recuar a maré de coronavírus que inundou Espanha"

Foto: AFP
Portugal 2 min. 03.05.2020 Do nosso arquivo online

Covid-19."Como Portugal fez recuar a maré de coronavírus que inundou Espanha"

Redação
Redação
Uma reportagem publicada no Financial Times elogia a resposta do governo português à pandemia da Covid-19.

"A rapidez da acção e os testes extensivos significaram uma taxa de mortalidade muito mais baixa do que em Espanha, mas os receios de uma segunda vaga aumentam", escreve o jornal britânico. 

"Com o rápido envelhecimento da sua população e a sua sociedade familiar, Portugal tem muito em comum com a sua vizinha Espanha. Mas enquanto a pandemia do coronavírus causou estragos em Espanha, Portugal tem tido taxas de infecção e de mortalidade muito mais baixas", escreve o correspondente do FT em Portugal.

A Espanha registou mais de 24.000 mortes de Covid-19, mas Portugal, com um quarto da população, registou pouco mais de 1.000, destaca o artigo.

Numa fase em que Portugal e outros países da UE começam a aliviar os seus bloqueios, "Lisboa receia que uma segunda vaga de infecções possa inverter um sucesso atribuído à sua resposta rápida, testes extensivos, política colegial e forte apoio social", escreve o FT. 

"O timing é tudo nas fases iniciais de uma pandemia porque a disseminação viral é exponencial", disse Pedro Simas, chefe do laboratório do Instituto de Medicina Molecular (IMM) de Portugal, em declarações ao FT. "Mesmo uma semana tem um enorme impacto". Portugal detectou os seus primeiros casos de coronavírus em 2 de Março, um mês depois da Itália e da Espanha. O governo declarou o estado de emergência 16 dias após o início do surto, altura em que o país tinha registado 642 casos e duas mortes. Em comparação, a Espanha anunciou duras medidas de encerramento cerca de seis semanas após o aparecimento do primeiro caso, altura em que tinha registado quase 5.800 casos e 200 mortes. Mas mesmo antes de o governo ter ordenado um bloqueio, muitos portugueses tinham optado por ficar em casa. "As pessoas estavam a testemunhar as imagens desoladoras de Itália e Espanha e decidiram tomar as coisas nas suas próprias mãos", disse Ricardo Baptista Leite, director de saúde pública da Universidade Católica de Lisboa em declarações ao FT. "Este foi um elemento crítico na nossa resposta". 

 Isabel Abreu, uma bioquímica da categoria de alto risco para o Covid-19, começou a trabalhar a partir de casa quase duas semanas antes de se tornar obrigatória. "Pessoas que geralmente podiam fizeram o mesmo", declarou ao FT. 

O Governo introduziu um regime de licença para trabalhadores despedidos, ao abrigo do qual os trabalhadores despedidos recebiam dois terços dos seus salários, 70% dos quais são pagos pelo Estado. Também foi fundamental testar. Portugal já testou mais de 350 mil pessoas para o coronavírus, tendo construído uma rede que pode completar mais de 15 mil testes por dia. Isto equivale a mais de 35 mil testes por milhão de habitantes, proporcionalmente mais do que muitos outros países europeus. Mais de 60 laboratórios estatais, universitários e privados trabalharam em conjunto para testar o maior número possível de pessoas, concentrando-se nos profissionais de saúde e nos residentes dos lares.    

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

Covid-19. Santos Silva rejeita hipótese de encerrar fronteiras
Há duas semanas os chefes dos Governos de Portugal e Espanha afastaram essa possibilidade, mas a situação pandémica tem vindo a agravar-se e hoje o Pedro Sánchez admitiu que o número real de casos de infeção no seu país seja o triplo dos dados oficiais.