Escolha as suas informações

Costa admite continuar a governar em caso de chumbo mas respeitará decisão do PR
Portugal 23.10.2021
Orçamento de Estado 2022

Costa admite continuar a governar em caso de chumbo mas respeitará decisão do PR

Orçamento de Estado 2022

Costa admite continuar a governar em caso de chumbo mas respeitará decisão do PR

Foto: Lusa
Portugal 23.10.2021
Orçamento de Estado 2022

Costa admite continuar a governar em caso de chumbo mas respeitará decisão do PR

Lusa
Lusa
Esta posição foi transmitida por António Costa em conferência de imprensa, no final da reunião da Comissão Política Nacional do PS, que começou na sexta-feira à noite.

 O primeiro-ministro afirmou-se hoje preparado para continuar a governar, mesmo se o Orçamento para 2022 chumbar, mas adiantou que respeitará se o Presidente da República tiver um entendimento diverso e convocar eleições antecipadas.

Esta posição foi transmitida por António Costa em conferência de imprensa, no final da reunião da Comissão Política Nacional do PS, que começou na sexta-feira à noite.

Questionado se está preparado para ir a eleições na sequência de um eventual chumbo do Orçamento do Estado para 2022, o secretário-geral do PS começou por responder: "Se [os partidos] disserem que não, então eu estou preparado para cumprir os meus deveres para com o país, que é manter o país na trajetória de governação que tem vindo a ser prosseguida”.

“Se o senhor Presidente da República entender de uma forma diversa, eu respeitarei a decisão, e estou preparado para tudo. Agora, para já, para já, estou preparado para cumprir o meu dever. E o meu dever é continuar a governar e conduzir o país nestas águas que ainda são bastante turbulentas, e onde não convém introduzir fatores de instabilidade, de incerteza que perturbem a recuperação económica e social”, completou.

Antes, interrogado se janeiro, fevereiro será a pior altura para o PS ir a eleições, o líder socialista alegou que legislativas antecipadas “é um cenário” que nunca colocou em cima da mesa.

“O senhor Presidente da República, enfim, entendeu dizer que, se o Orçamento não fosse aprovado, era a consequência que retiraria. Essa preocupação não foi nem uma consequência que nós considerássemos inevitável, nem uma consequência em que nós estejamos a trabalhar”, afirmou.

António Costa reiterou que o seu Governo trabalha para ter um Orçamento viabilizado, porque “seria uma enorme perda para o país perder a oportunidade de ter um bom Orçamento".

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

O PS afirmou hoje que "compreende e respeita" a decisão do Presidente da República de dissolver o parlamento e marcar eleições antecipadas, adiantando que não haverá "vazio de poder", e apelou à mobilização para esse ato eleitoral.
O secretário-geral  Adjunto do Partido Socialista (PS), José Luís Carneiro
O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, avançou que o chumbar do Orçamento de Estado para 2022 iria desencadear eleições legislativas antecipadas e este sábado ouviu os partidos para analisar possíveis datas. 16 de janeiro é praticamente consensual.
o programa “Regressar” consiste num benefício fiscal que permite que os contribuintes que tenham regressado a Portugal em e não tenham sido residentes no país nos três anos anteriores, paguem IRS sobre 50% dos rendimentos durante um período que pode ir, no máximo, até cinco anos.