Escolha as suas informações

Caso único. Jovem do Porto terá sido infetada por duas variantes covid em simultâneo
Portugal 26.12.2020

Caso único. Jovem do Porto terá sido infetada por duas variantes covid em simultâneo

Caso único. Jovem do Porto terá sido infetada por duas variantes covid em simultâneo

Foto: AFP
Portugal 26.12.2020

Caso único. Jovem do Porto terá sido infetada por duas variantes covid em simultâneo

Redação
Redação
A doente portuguesa de 17 anos testou positivo ao vírus durante mais de três meses e chegou a estar internada nos cuidados intensivos. Até agora não há relato de casos semelhantes no mundo.

Durante 97 dias uma jovem do Porto, de 17 anos realizou 19 testes de diagnóstico PCR e todos acusaram positivo para a infeção pelo novo coronavírus. Mas há mais fenómenos estranhos neste caso investigado por cientistas do Porto, que o consideram raro e único no mundo, nunca tendo sido relatado outro idêntico até agora, como noticia o Jornal de Notícias.

 A adolescente até então saudável poderá ter sido infetada por duas variantes diferentes do SARS-CoV-2 ao mesmo tempo. Ou então, reinfetada logo após a primeira infeção, por outra estirpe distinta.

Em março, a jovem acusou positivo ao vírus da covid-19 tendo mesmo de ficar internada nos cuidados intensivos do Hospital de São João, no Porto. Os médicos estranharam o facto de uma adolescente saudável apresentar uma forma tão grave da covid-19. Foi tratada mas dois meses depois voltou ao hospital com sintomas e continuou a acusar positivo ao SARS-CoV-2. 

Segundo o Jornal de Notícias a sequenciação genética do vírus analisada através de amostra confirmou que da segunda vez, a jovem estava contagiada por uma variante diferente do vírus. Ou seja, a dado momento, esta jovem teve duas variantes distintas do novo coronavírus no seu organismo, indicam os investigadores.


Covid-19. Segunda infeção em doentes curados pode ser mais grave do que a primeira
Um americano de 25 anos foi reinfetado pelo SARS-CoV-2 e desta vez teve de ser internado com suporte de oxigénio, revela um novo estudo científico que alerta para a fraca imunidade à doença e eficácia da vacina.

  "Seja como for, co-infeção ou reinfeção - tendo em conta a possibilidade de que a imunidade impulsionada por uma variante específica do SARS-CoV-2 não protege contra outra variante , mas pode, em vez disso, conduzir a um padrão de doença mais grave -, é de extrema relevância na saúde pública", declaram os investigadores do Instituto de Investigação e Inovação em Saúde (I3S) da Universidade do Porto, citados pelo diário português.

 Esta conclusão é dada pela equipa de investigadores que analisou este caso numa pré-publicação de um artigo científico sobre o mesmo, publicado na plataforma medRxiv. De momento o estudo está a ser revisto pelos pares que se o considerarem conclusivo irá então ser publicado numa revista científica internacional.  Uma dado é certo: até agora este caso é único na literatura científica.   

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas