Escolha as suas informações

Carta publicada no jornal Público: Sócrates considera imputações "absurdas, injustas e infundamentadas"
Portugal 2 min. 27.11.2014

Carta publicada no jornal Público: Sócrates considera imputações "absurdas, injustas e infundamentadas"

Carta publicada no jornal Público: Sócrates considera imputações "absurdas, injustas e infundamentadas"

AFP
Portugal 2 min. 27.11.2014

Carta publicada no jornal Público: Sócrates considera imputações "absurdas, injustas e infundamentadas"

O ex-primeiro-ministro José Sócrates classifica de "absurdas, injustas e infundamentadas" as acusações que lhe são dirigidas no âmbito do processo de fraude fiscal, branqueamento de capitais e corrupção, afirmando que o caso "tem também contornos políticos".

O ex-primeiro-ministro José Sócrates classifica de "absurdas, injustas e infundamentadas" as acusações que lhe são dirigidas no âmbito do processo de fraude fiscal, branqueamento de capitais e corrupção, afirmando que o caso "tem também contornos políticos".

Numa carta de oito parágrafos, ditada ontem à tarde ao jornal Público pelo seu advogado, e também enviada à TSF, o ex-primeiro-ministro queixa-se de "humilhação gratuita", promete “desmentir as falsidades" que lhe são apontadas e "responsabilizar os que as engendraram".

José Sócrates, que responde no âmbito de um processo por fraude fiscal qualificada, branqueamento de capitais e corrupção, responsabiliza o Ministério Público pela acusação, que diz ter "também contornos políticos.

“A minha detenção para interrogatório foi um abuso e o espetáculo montado em torno dela uma infâmia”, sustenta o ex-chefe do Governo entre 2005 e 2011.

O ex-primeiro-ministro do Partido Socialista afirma que ao fim de cinco dias “fora do mundo”, decidiu, em “legítima defesa”, comunicar que as acusações de corrupção, fraude fiscal e branqueamento de capitais são “absurdas, injustas e infundamentadas”.

Segundo o Público, o texto foi ditado por José Sócrates ao seu advogado a partir de uma cabine telefónica da prisão de Évora, onde se encontra detido preventivamente desde segunda-feira.

No texto, o ex-primeiro ministro afirma que está a ser cometido “um crime” contra a Justiça, acusa diretamente o Ministério Público e sublinha que o “caso tem também contornos políticos”.

Sócrates garante que vai “conforme for entendendo”, “desmentir as falsidades lançadas” e responsabilizar “os que as engendraram”.

O ex-líder socialista queixa-se da “humilhação gratuita” que sofreu com a decisão do juiz Carlos Alexandre de o colocar em prisão preventiva, uma medida de coação que considera ser “injustificada”.

Segundo o Público, Sócrates afirma mais à frente que descobriu “uma lição de vida” sobre o poder: “verdadeiro poder - de prender e de libertar”.

“Este é um caso da Justiça e é com a Justiça Democrática que será resolvido”, afirma, referindo também a solidariedade que tem recebido nos últimos dias e pede para que o PS não seja envolvido.

“Este processo é comigo e só comigo. Qualquer envolvimento do Partido Socialista só me prejudicaria, prejudicaria o Partido e prejudicaria a Democracia”, diz Sócrates.

“Este processo só agora começou”, conclui o ex-primeiro-ministro preso em Évora.


Notícias relacionadas

“Não há factos, não há provas, não há acusação”
Os advogados de José Sócrates consideraram hoje "patético" e "ridículo" o processo-crime contra o ex-primeiro-ministro e alegaram que estão consolidados "os indícios de que não há qualquer razão para suspeita" sobre o ex-líder do PS.
O advogado do ex-primeiro-ministro José Sócrates, João Araújo