Escolha as suas informações

Carlos Cesar reivindica uma grande vitória do PS, mas não garante continuação da geringonça
Portugal 2 min. 26.05.2019

Carlos Cesar reivindica uma grande vitória do PS, mas não garante continuação da geringonça

Carlos Cesar reivindica uma grande vitória do PS, mas não garante continuação da geringonça

Foto: LUSA
Portugal 2 min. 26.05.2019

Carlos Cesar reivindica uma grande vitória do PS, mas não garante continuação da geringonça

O presidente do PS afirma que o seu partido candidatar-se-á nas próximas eleições legislativas "pedindo aos portugueses que façam um juízo sobre os resultados da sua governação".

O presidente do PS considerou hoje que os resultados nas eleições europeias dão "entusiasmo" e "energia" para um triunfo nas legislativas e afirmou aguardar a resposta dos parceiros de esquerda para "outro impulso reformista" na próxima legislatura.

Carlos César transmitiu estes “recados” em conferência de imprensa, em Lisboa, numa declaração em que referiu logo ao início os cidadãos que não votaram nestas eleições europeias, mas que, "certamente, o farão em próximos atos eleitorais".

Tal como antes fizera a secretária-geral adjunta do PS, Ana Catarina Mendes, o presidente e líder parlamentar socialista falou numa "grande vitória" do seu partido nas eleições europeias "que corresponde a uma grande derrota do PSD e do CDS-PP, uma grande derrota da direita em Portugal".

Mas, o líder da bancada socialista procurou também projetar estes resultados das europeias nas eleições legislativas de 6 de outubro e, neste mesmo contexto, fez alusões ao caminho que deverá ser prosseguido na próxima legislatura, designadamente com BE, PCP e PEV, falando mesmo em "outras áreas e outras temáticas" para entendimentos.

"Estes resultados dão ao PS razão no sentido do entusiasmo e da energia que ganhamos para disputar com uma vitória as próximas eleições legislativas", disse, recebendo uma prolongada salva de palmas dos militantes e simpatizantes socialistas.

No período de perguntas, Carlos César foi questionado se estes resultados nas eleições europeias favorecem ou não uma repetição da formação de um Governo socialista apoiado por PCP, PEV e BE após as legislativas de outubro.

O presidente do PS respondeu, então, que o seu partido candidatar-se-á nas próximas eleições legislativas "pedindo aos portugueses que façam um juízo sobre os resultados da sua governação".

"O nosso empenhamento será o de, em diálogo com os restantes partidos, voltar a ter um Governo que tenha um período de estabilidade correspondente ao da legislatura. Evidentemente que, com os nossos parceiros atuais [BE, PCP e PEV], temos uma experiência de trabalho, temos uma proximidade adquirida que os privilegia nesse diálogo", apontou.

Nesse diálogo, porém, segundo o presidente do grupo parlamentar do PS, "são necessárias outras áreas, outras temáticas e outro impulso reformista que deve ser desencadeado na sequência das próximas eleições legislativas".

"Veremos qual a resposta dos partidos políticos portugueses e, em especial, dos partidos à nossa esquerda - partidos que têm sido nossos aliados para o imperativo dessa mudança, tendo em vista uma governação eficaz e com sentido social que temos emprestado ao longo dos últimos anos. Ficamos muito felizes pelas sondagens que vão refletindo uma tendência de crescendo do PS nas próximas eleições, mas quando lá chegarmos é que teremos a certeza de que essa é a escolha dos portugueses", acrescentou.

Lusa

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba a nossa newsletter das 17h30.


Notícias relacionadas

OPINIÃO: A saúde da geringonça
No rescaldo das eleições autárquicas, muitos comentadores e responsáveis políticos têm vaticinado o fim próximo da geringonça. São exactamente os mesmos que adivinhavam que esta solução governativa não duraria um ano.
Jerónimo de Sousa
OPINIÃO: E agora, António Costa?
POR SÉRGIO FERREIRA BORGES - Foi uma estrondosa derrota do PS, com uma vitória inequívoca da direita. Mas o desaire dos socialistas teve muito maior dimensão que o sucesso da direita.
Portugal's opposition Socialist party (PS) leader, Antonio Costa, wipes his head while addressing supporters after polls closed in a general election in Lisbon, Portugal, October 4, 2015.    Portugal's center-right government headed for victory in an election on Sunday after launching tough austerity measures to combat a debt crisis, but exit polls showed it could lose its majority in parliament.    REUTERS/Rafael Marchante