Escolha as suas informações

Caminhada entre Sagres e Porto transformada em documentário por casal alemão
Portugal 2 2 min. 31.03.2019

Caminhada entre Sagres e Porto transformada em documentário por casal alemão

Caminhada entre Sagres e Porto transformada em documentário por casal alemão

Foto: Pixabay
Portugal 2 2 min. 31.03.2019

Caminhada entre Sagres e Porto transformada em documentário por casal alemão

Já produziram documentários na África do Sul, Austrália ou Nova Zelândia, mas Portugal "é o preferido".

O documentário "Portugal – Der Wanderfilm" (Portugal – o filme da caminhada), levado a cabo por um casal alemão, que se estreou em março nos cinemas da Alemanha, mostra o percurso, a pé, entre Sagres e o Porto.

O filme, que surgiu da paixão dos realizadores Silke Schranz e Christian Wüstenberg por Portugal e pela caminhada, é o segundo a ser rodado no país, depois de um documentário, em 2010, sobre o Algarve.

"Quando fomos a primeira vez a Portugal, apaixonámo-nos pelo país, pela simpatia das pessoas, pela comida deliciosa, pelo vinho português, pela cultura, a costa, as ondas e as praias. Mas costumávamos explorar Portugal com um carro alugado. Dessa forma não nos era possível alcançar as praias remotas e o litoral rochoso", explica Silke Schranz, em declarações à agência Lusa.

Ouviram falar da "Rota Vicentina" e de um trilho de caminhada entre Sagres e Porto Covo, e decidiram experimentar, abdicando do carro.

"Como somos cineastas, levámos as nossas câmaras connosco. Depois de 100 quilómetros, gostámos tanto da paisagem que decidimos continuar até ao Porto", conta Christian Wüstenberg.

"Portugal – Der Wanderfilm" é o sétimo filme dos dois realizadores que é exibido nos cinemas alemães. Os dois já produziram documentários em países como África do Sul, Austrália ou Nova Zelândia, mas confessam que Portugal "é o preferido".

A viver em Frankfurt, na Alemanha, Silke Schranz e Christian Wüstenberg já contam 25 visitas a Portugal. Este documentário é uma forma de mostrar os benefícios da caminhada quando se pretende conhecer melhor um país.

"Os alemães gostam de viajar, mas tendem a reservar hotéis em regiões turísticas. O nosso novo filme mostra o Portugal não turístico. Vilas remotas, praias e as melhores dicas fora dos trilhos mais conhecidas. Nos cinemas alemães, temos muitos portugueses na plateia. Até eles nos disseram que, com o filme, redescobriram o país de origem", descrevem.

O documentário vai passar por cerca de 40 salas de cinemas espalhadas pela Alemanha e, para já, os realizadores não têm pensadas exibições além-fronteiras.

"Mas, quem sabe? Se alguém em Portugal tiver interesse em mostrar o nosso filme, teríamos todo o gosto em traduzi-lo e leva-lo às salas de cinema portuguesas", sublinham os dois realizadores alemães.

Lusa


Notícias relacionadas

Anne Fontaine: “Para mim o Grão-Ducado é um país imaginário”
Nasceu no Luxemburgo, passou a adolescência em Lisboa e hoje é uma das mais conceituadas realizadoras do cinema francófono. A meio caminho entre os Óscares de Hollywood e as grandes referências do cinema francês, Anne Fontaine sente o Grão-Ducado como um mistério, enquanto Portugal continua a ser um ponto de referência e de visita obrigatória.
Anne Fontaine durante a rodagem de "As Inocentes". Fontaine nasceu no Luxemburgo, viveu parte da infância e adolescência em Lisboa e hoje é uma realizadora conceituada em França.
Quinzena de Cinema Português no Luxemburgo: Como manter excelentes relações com a família
Todos sabemos que quando vamos “lá abaixo” não temos tempo para filmes. Já todos passámos à porta de um multiplex num centro comercial e pensámos: “Amanhã vou ver este filme português”. E todos nós acabamos por preferir ir apanhar sol numa esplanada ou decidimos aceitar o convite da tia Maria José para jantar, ela que já nos anda a dizer para ir lá a casa há três Verões...
Quando a francesa Fanny Ardant dirige uma paleta de grandes actores europeus, o resultado chama-se “Cadências Obstinadas”
Cannes 2015 : O império português contra-ataca
É impossível ser-se português no festival de Cannes e não falar, ou ouvir falar, do filme de Miguel Gomes “As mil e uma noites”. Esta trilogia surpreendente não está sequer na competição oficial, participando na Quinzena dos Realizadores, uma secção paralela do festival. Este ano não se pode dizer a ninguém em Cannes “sou português” sem que o interlocutor pergunte: “e então que achaste do filme do Miguel Gomes?”.
Miguel Gomes levou  "As mil e uma noites" até Cannes
Famel Top Secret: Os entusiastas
Portugal esteve quase sempre ausente do mercado automóvel e das motas. Como fabricante, obviamente. No domínio das quatro rodas, houve tentativas que marcaram a história. Quem não se lembra do jipe UMM, que ainda hoje é procurado pelos mais nostálgicos?
“Famel Top Secret”, sobre as populares motas portuguesas com o mesmo nome, estreia sexta-feira no cinema Ariston