Escolha as suas informações

BE diz que eleições não eram uma "inevitabilidade" e recusa guerra sobre data
Portugal 04.11.2021 Do nosso arquivo online
Eleições legislativas

BE diz que eleições não eram uma "inevitabilidade" e recusa guerra sobre data

Eleições legislativas

BE diz que eleições não eram uma "inevitabilidade" e recusa guerra sobre data

LUSA
Portugal 04.11.2021 Do nosso arquivo online
Eleições legislativas

BE diz que eleições não eram uma "inevitabilidade" e recusa guerra sobre data

Lusa
Lusa
O BE insistiu hoje que legislativas antecipadas não eram "uma inevitabilidade" e que este não era o desejo do partido, mas defendeu que "nenhum democrata pode ter medo de eleições", recusando uma "guerra política" em torno da data escolhida.

Numa reação ao anúncio feito esta noite pelo Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, de que vai dissolver o parlamento e marcar eleições legislativas para 30 de janeiro, o líder parlamentar do BE, Pedro Filipe Soares, começou por defender que este desfecho "não era uma inevitabilidade".

"O Presidente da República foi quem, ainda decorria o processo negocial, ameaçou com a existência de eleições antecipadas e foi, da parte do Governo, o senhor primeiro-ministro quem não pretendeu ter no processo de discussão do Orçamento do Estado, um orçamento capaz de responder ao país. Da parte do Bloco de Esquerda, nós não desejámos eleições e sempre tivemos como vontade garantir um orçamento que não faltasse ao país neste momento fundamental", criticou.


Portugal vai a votos no dia 30 de janeiro
Marcelo Rebelo de Sousa dissolveu o Parlamento e anunciou a data das eleições legislativas. O país vai a votos no final de janeiro de 2022.

No entanto, para Pedro Filipe Soares "nenhum democrata pode ter medo de eleições" e, por isso mesmo, os bloquistas estão "disponíveis para fazer esse percurso".

"Da mesma forma que ninguém percebeu que o senhor primeiro-ministro pretendesse fazer uma crise política para impedir a valorização de pensões, para garantir direitos a quem trabalha ou para faltar ao investimento necessário para uma garantia de qualidade do SNS, também creio que ninguém compreenderá que se faça uma guerra política em torno da data das eleições ser uma semana depois, uma semana antes", respondeu quando questionado sobre a data escolhida.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

Impasse político
Marcelo Rebelo de Sousa marcou as eleições legislativas para o próximo dia 30 de Janeiro. Neste século, é a quarta vez que Portugal vai a eleições antecipadas. Escolhendo esta data, o presidente da República decretou igualmente o impasse político mais longo destes 20 anos. Desde o chumbo do OE, serão 95 dias de vazio político. A crise mais longa tinha ocorrido em 2001, quando António Guterres se demitiu depois da “débâcle” nas autárquicas.
O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, avançou que o chumbar do Orçamento de Estado para 2022 iria desencadear eleições legislativas antecipadas e este sábado ouviu os partidos para analisar possíveis datas. 16 de janeiro é praticamente consensual.
Pedro Passos Coelho deixou claro, este fim-de-semana, que não quer antecipar as eleições legislativas que, de acordo com a sua vontade, se devem realizar no prazo legal, isto é, no Outono de 2015. Foi claro ao dizer que ainda tem mais um ano de trabalho pela frente.