Escolha as suas informações

André Ventura assume perda do segundo lugar para Ana Gomes e anuncia demissão
Portugal 25.01.2021

André Ventura assume perda do segundo lugar para Ana Gomes e anuncia demissão

André Ventura assume perda do segundo lugar para Ana Gomes e anuncia demissão

AFP
Portugal 25.01.2021

André Ventura assume perda do segundo lugar para Ana Gomes e anuncia demissão

Ana TOMÁS
Ana TOMÁS
O candidato presidencial e líder do partido de extrema-direita cumpriu assim a promessa eleitoral que fez logo no arranque da sua candidatura, mas deixou a última palavra para os militantes.

André Ventura anunciou esta noite a demissão de presidente da direção nacional do Chega, depois de ter ficado atrás de Ana Gomes, que elegeu como principal adversária, com 11,90%, e de admitir ter ficado "aquém dos 15%" de meta que traçou para estas eleições.

O candidato e líder do partido de extrema-direita cumpriu assim a promessa eleitoral que fez logo no arranque da sua candidatura quando afirmou que se demitiria do cargo se ficasse atrás de Ana Gomes e dos restantes candidatos de esquerda.

Apesar da demissão, André Ventura deixou em aberto a possibilidade de se recandidatar, como fez em setembro de 2020 quando foi a eleições no partido. Perante os resultados desta noite afirmou que iria devolver a palavra aos militantes.

"Não fugirei à minha palavra e devolverei aos militantes do Chega a palavra sobre se querem ou não a continuidade deste projeto à frente deste partido."

Mesmo assim o líder do Chega não se deu por derrotado, afirmando ter esmagado a extrema-esquerda. "Esta candidatura teve mais que o Partido Comunista de João Ferreira, que o Bloco de Esquerda de Marisa Matias e a Iniciativa Liberal de Tiago Mayan, todos juntos".

Mas o primeiro recado da noite de André Ventura foi para PSD e CDS.

"Esta é uma noite histórica em que a direita em Portugal se reconfigurou. Em que um partido declaradamente antissistema rompeu o espectro da direita tradicional com cerca de meio milhão de votos e conseguiu furar o bloqueio habitual em Portugal para criar uma avassaladora força anti-sistema, que não quebrou hoje, nem acaba hoje", declarou.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

João Ferreira candidata-se contra a cegueira à boleia da pandemia
Os comunistas apresentaram a sua candidatura na colectividade Voz do Operário, no salão que está encimado pelas velhas palavras do movimento operário: "Trabalhadores Uni-vos", mas com a intenção de combaterem o medo e a perda de direitos sociais que tem acompanhado a covid-19.