Escolha as suas informações

Alemanha: Emigrantes desvalorizam ensino do português
Portugal 2 min. 18.09.2016

Alemanha: Emigrantes desvalorizam ensino do português

No Luxemburgo também há desvalorização da língua portuguesa

Alemanha: Emigrantes desvalorizam ensino do português

No Luxemburgo também há desvalorização da língua portuguesa
Foto: Chris Karaba
Portugal 2 min. 18.09.2016

Alemanha: Emigrantes desvalorizam ensino do português

Os coordenadores do ensino do português na Alemanha consideram que a falta de motivação dos alunos pela aprendizagem da língua portuguesa deve-se ao desconhecimento das vantagens do idioma e à falta de incentivo de alguns professores de alemão.

Os coordenadores do ensino do português na Alemanha consideram que a falta de motivação dos alunos pela aprendizagem da língua portuguesa deve-se ao desconhecimento das vantagens do idioma e à falta de incentivo de alguns professores de alemão.

"Há de facto um desconhecimento generalizado da mais valia que representa aprender a língua de herança, de origem, seja para a aprendizagem de qualquer outra língua estrangeira ou até a língua dominante", explicou Carla Amado, a coordenadora do ensino do português na Alemanha até ao final de Agosto, substituída entretanto por Rui Azevedo.

Carla Amado referiu que os emigrantes portugueses têm dificuldade em manter os filhos motivados para a aprendizagem do português porque muitas crianças e jovens já têm noções básicas do idioma, ignorando "a vantagem que se pode retirar do dominar uma língua que ainda é relativamente exótica", acabando por encarar a aprendizagem "mais como uma obrigação".

A antiga coordenadora do ensino do português na Alemanha acrescentou que os professores de língua alemã desencorajam a aprendizagem de outras línguas de herança.

"Infelizmente existe uma ideia generalizada, que até muitas vezes é suportada pelos próprios professores de línguas nas escolas aqui na Alemanha, (...) que investir na continuidade da aprendizagem do português a nível formal prejudica aprendizagem do alemão", disse à agência Lusa em Berl.

Carla Amado disse que a ideia não pode estar mais errada, acrescentando que "o cérebro bilingue está exponencialmente preparado para a aprendizagem lógica de outras matérias como a matemática, etc. Há muitos artigos sobre esse assunto".

A coordenação do ensino do português na Alemanha teve de contactar cada escola com o pedido de reconhecimento do curso de língua portuguesa.

"O nosso objectivo é vermos reconhecidos os nossos cursos, as nossas certificações, contarmos com uma maior carga lectiva semanal para os nossos professores e alunos e isso dá muito trabalho porque são muitos estados e são muitas escolas", acrescentou Rui Azevedo.

Carla Amado garantiu que "o feedback das escolas tem sido muito positivo", existindo alguns entraves relacionados com questões burocráticas: "eles dizem que não podem libertar os alunos das outras actividades para poderem ir ao português, a disponibilidade das salas. Mas 80% das escolas está a reagir muito bem".

Além dos cursos para crianças e jovens já existentes, a coordenação do ensino do português na Alemanha vai passar a oferecer cursos para adultos, a começar já neste ano lectivo.

De momento, o número de alunos a aprenderem o português no ensino básico e secundário chega aos 3.200, na sua maioria descendentes de portugueses ou de emigrantes de países lusófonos, mas também de origem ucraniana.

"Um fenómeno interessante e curioso são os descendentes de ucranianos que viveram em Portugal e que por causa da crise quiseram vir para a Alemanha, mas os pais fazem questão que mantenham o português porque, a maior parte deles, iniciou a escolarização em Portugal", acrescentou Carla Amado.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba a nossa newsletter das 17h30.


Notícias relacionadas

Ministro da Educação: "Há três anos que propomos às autoridades portuguesas que reorientem o português para o pré-escolar"
É a primeira vez que o ministro da Educação do Luxemburgo fala sobre o fim dos cursos integrados em Esch-sur-Alzette, e a mensagem é clara. O ministro quer que os cursos integrados no ensino primário sejam substituídos por intervenções apenas no pré-escolar. Uma proposta que se aplicaria a todo o país e que representaria o fim dos cursos integrados de língua e cultura portuguesa no ensino primário luxemburguês.
Lição n°4: Há 2.781 alunos inscritos nas aulas de português
Há 2.781 alunos inscritos nas aulas de Português no Luxemburgo para o ano lectivo 2016/2017, 1.536 no ensino integrado (na escola pública luxemburguesa) e 1.245 no ensino paralelo, segundo dados avançados ao CONTACTO por Joaquim Prazeres, responsável pela Coordenação do Ensino do Portugês no Grão-Ducado.
A poucos dias do início das aulas estavam inscritos 1.536 alunos nos cursos integrados de português e 1.245 nos cursos paralelos