Escolha as suas informações

Abusos sexuais na Igreja. Mais de 300 testemunhos e queixas continuam a aumentar
Portugal 3 min. 07.05.2022
Investigação Portugal

Abusos sexuais na Igreja. Mais de 300 testemunhos e queixas continuam a aumentar

Investigação Portugal

Abusos sexuais na Igreja. Mais de 300 testemunhos e queixas continuam a aumentar

Portugal 3 min. 07.05.2022
Investigação Portugal

Abusos sexuais na Igreja. Mais de 300 testemunhos e queixas continuam a aumentar

Redação
Redação
A comissão portuguesa que está a estudar os abusos na igreja Católica em Portugal já recebeu mais de três centenas de testemunhos diretos, entre eles de portugueses radicados no Luxemburgo.

O coordenador da comissão independente criada para investigar abusos sexuais na Igreja Católica portuguesa disse hoje que há “mais de três centenas” de testemunhos e o número “continua a subir”, voltando a apelar ao contacto das pessoas. 

A esta comissão chegaram denúncias de vítimas de várias partes de Portugal, mas também do estrangeiro, nomeadamente de portugueses radicados no Grão-Ducado que em criança ou adolescentes sofreram abusos por padres ou membros da igreja católica em Portugal.

“As queixas continuam a subir, se vos dissesse agora um número já era com certeza diferente do que foi hoje de manhã, porque sabemos que as pessoas continuam a contactar-nos, o que também é importante, mas já ultrapassámos as três centenas dos depoimentos diretos”, disse Pedro Strecht.

O coordenador da comissão independente falava aos jornalistas, depois de uma conferência na Universidade Católica Portuguesa – Polo de Viseu, juntamente com o também membro da comissão e também psiquiatra Daniel Sampaio.

Este número, explicou, é “muito provável” que seja maior, uma vez que o psiquiatra disse que, “é extremamente comum” uma pessoa, que contacta para dar o testemunho, “referir a existência de mais nomes de pessoas que na mesma altura, pela mesma pessoa, no mesmo local, possam ter passado pelo mesmo”.

“Portanto há aqui um número em abstrato que é difícil de contabilizar estatisticamente mas que certamente aponta para um número depois total muito maior do que as três centenas de testemunhos que temos até agora”, apontou.

Neste sentido, os psiquiatras estão a promover conferências e debates para apelar ao testemunho, seja por telefone (917 110 000) ou email (geral@darvozaosilencio.org), contactos que no entender de Daniel Sampaio podem ser mais divulgados pela Igreja.


Portugal. 290 queixas de abusos sexuais na Igreja, algumas chegaram do Luxemburgo
Se foi vítima denuncie "sem medo", pede a comissão. Saiba como o pode fazer.

Apelos na missa

“A Igreja devia mostrar mais empenhamento, não em relação ao trabalho da comissão, mas sobretudo em relação a esta causa, porque esta é uma causa da Igreja, [mas] eu acho que deve ser uma causa nacional”, defendeu.

Neste sentido, Daniel Sampaio considerou que, “uma das coisas relativamente simples que a Igreja devia fazer era que os padres no final da missa fizessem um apelo ao testemunho” e seria “uma forma muito prática” de passarem os contactos.

“Numa situação onde está uma assembleia de católicos e onde é difícil chegar, porque a noção que temos é que há muitas zonas em Portugal onde o nosso apelo não chega e há missas em todo o lado e isso seria uma forma de empenhamento muito importante da Igreja Católica nesta questão”, defendeu.

Assim, apelou, “poderia ser feita de uma forma mais ativa em cada diocese” a divulgação dos contactos, “em todas as publicações da diocese e um empenhamento direto na missa, naquela parte da missa em que o sacerdote faz avisos, podia haver um apelo ao testemunho”.


Se foi vítima de abuso sexual na Igreja dê o seu testemunho "sem medo"
O apelo é feito por uma comissão que está a estudar estes abusos na Igreja Católica, em Portugal, desde 1950 até hoje. Já houve mais de 100 denúncias, algumas de emigrantes. O relato por telefone ou email pode reparar anos de "sofrimento silencioso".

16 queixas para Ministério Público

Pedro Strecht disse ainda que “há pessoas que perguntam se é só sobre a igreja Católica” e nessas situações, ou até de outras áreas da sociedade, a comissão pode “ajudar a orientar, uma vez que a “ideia é não deixar as pessoas sozinhas e até se precisarem de outro tipo de ajuda, encaminhá-las em relação a isso”.

Dos mais de 300 testemunhos, disse Pedro Strecht, 16 seguiram para o Ministério Público, “mas estão a ser analisados mais casos, porque as denúncias estão a aumentar, e estão a ser analisadas para serem em breve enviadas ao Ministério Público”.

Com Lusa

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas