Escolha as suas informações

Abuso de menor. Padre de Viseu não pode servir de “bode expiatório”
Portugal 2 min. 11.05.2022
Igreja Católica

Abuso de menor. Padre de Viseu não pode servir de “bode expiatório”

Igreja Católica

Abuso de menor. Padre de Viseu não pode servir de “bode expiatório”

Foto: DR (Arquivo)
Portugal 2 min. 11.05.2022
Igreja Católica

Abuso de menor. Padre de Viseu não pode servir de “bode expiatório”

Lusa
Lusa
O advogado do padre suspeito de ter aliciado sexualmente um menor, em Viseu, pediu hoje que o seu cliente não sirva de “bode expiatório” para as culpas de crimes que possam ter acontecido dentro da Igreja Católica.

O padre Luís Miguel Costa, de 46 anos, foi hoje de manhã ouvido no Tribunal de Viseu, durante a fase instrutória do processo em que está acusado de um crime de coação sexual agravado, na forma tentada, e de um outro de aliciamento de menores para fins sexuais.

À saída do tribunal, o advogado Paulo Duarte disse aos jornalistas que, relativamente aos factos, não se pronunciará publicamente, por entender que “a justiça é para ser feita nos tribunais, não é para ser feita na praça pública”, mas quis passar uma mensagem.

“Espero que o meu cliente - e eu tenho a certeza de que o tribunal será sensível a isso - não esteja, nem sirva nunca, de bode expiatório para expiar as culpas de quem quer que seja, nomeadamente de instituições”, afirmou.


Abusos na Igreja. Comissão independente em Portugal já recebeu 326 testemunhos
Investigadora que integra a Comissão garante que o número de potenciais vítimas pode atingir “muitas centenas”.

Na opinião do advogado, o padre Luís Miguel Costa hoje “demonstrou a sua inocência” no depoimento que prestou.

“Que fique muito claro: é um cidadão que poderá vir a ser julgado. Nós entendemos que nem julgado será, mas, se vier, é um cidadão e não uma instituição. Que fique muito claro”, reforçou, mostrando-se confiante na imparcialidade do tribunal.

Não deve "expiar a culpa de terceiros ou de instituições"

O advogado disse esperar que, na praça pública, “se tenha pelo menos a noção de que não é uma instituição, por mais milenar que seja, que está a ser julgada, é sim um cidadão concreto que reclama inocência”.

“Trata-se de um cidadão que está, junto da justiça, a fazer-se ouvir. Mas é um cidadão, não é culpado, nem deve expiar a culpa de terceiros ou de instituições”, considerou.

Questionado sobre o facto de o juiz de instrução não ter aceitado inquirir bispos e padres, Paulo Duarte disse apenas que se tratou de “uma decisão legítima”, que não comenta, ainda que pudesse contribuir para reforçar a inocência de Luís Miguel Costa.

O juiz de instrução terá agora de decidir se o padre será julgado ou se o caso será arquivado.


O inferno de Christian Faber abusado por um padre em criança no Luxemburgo
Christian Faber foi violado em criança durante anos num internato religioso por um capelão em Grevenmacher. Agora decidiu contar o horror vivido. Luta pela justiça em nome de todas as vítimas, através de uma investigação independente. A arquidiocese não é contra.

Segundo a acusação do Ministério Público (MP), em 27 de março de 2021, "o arguido, quando se encontrava sentado ao lado de um menor", que na altura tinha 14 anos, "tocou com a sua mão na mão da vítima e, pouco depois, deu-lhe conta do seu propósito de se relacionar sexualmente" com ele.

"De seguida, convidou o menor para se encontrar com ele no WC, local onde, puxando-o para junto de si, aproximou os seus lábios aos dele, procurando repetidamente beijá-lo na boca, o que este evitou".

O MP referiu ainda que, "pouco depois", o padre mandou "diversos SMS [serviço de mensagens curtas] para o telemóvel do menor, aliciando-o para um encontro a fim de se relacionar sexualmente com ele".

Durante o desenvolvimento do processo, o sacerdote terá que se apresentar quinzenalmente às autoridades policiais, estando proibido de "contactar com menores de 18 anos por qualquer meio".

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.