Escolha as suas informações

Silêncio e aplausos no adeus a Jorge Sampaio
Portugal 12 3 min. 11.09.2021
1939-2021

Silêncio e aplausos no adeus a Jorge Sampaio

1939-2021

Silêncio e aplausos no adeus a Jorge Sampaio

Foto: LUSA
Portugal 12 3 min. 11.09.2021
1939-2021

Silêncio e aplausos no adeus a Jorge Sampaio

Lusa
Lusa
Marcelo, Ferro e Costa receberam o cortejo fúnebre em Belém, onde decorre o velório, este sábado, aberto à população, até às 23h de sábado.

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, o presidente da Assembleia da República, Ferro Rodrigues, e o primeiro-ministro, António Costa, receberam, este sábado, o cortejo fúnebre do antigo chefe de Estado Jorge Sampaio, em Belém, pelas 11h10.


Funeral de Jorge Sampaio realiza-se no Mosteiro dos Jerónimos este domingo
O corpo do antigo Presidente da República Jorge Sampaio vai estar em câmara ardente no antigo picadeiro em Belém, Lisboa, a partir de sábado, anunciou hoje o ministro dos Negócios Estrangeiros.

Antes da abertura da câmara ardente ao público, as três mais altas figuras do Estado acompanharam a chegada e a entrada da urna no antigo picadeiro real, depois adaptado a Museu dos Coches, junto ao Palácio de Belém, em Lisboa, juntamente com a família de Jorge Sampaio.

Coberta pela bandeira nacional, a urna com o corpo de Jorge Sampaio chegou a Belém transportada num carro funerário, do qual foi retirada por cadetes das Forças Armadas.

Esse momento foi presenciado, em silêncio, por algumas dezenas de pessoas que se concentravam atrás das baias colocadas do outro lado da estrada.

Os antigos Presidentes da República, António Ramalho Eanes e Aníbal Cavaco Silva, também se deslocaram a Belém para prestar uma última homenagem ao ex-chefe de Estado.

O antigo Presidente da República Jorge Sampaio foi também homenageado com um aplauso de vários minutos por dezenas de pessoas na Praça do Município, em Lisboa.

O cortejo fúnebre de Jorge Sampaio chegou às 10h36 à entrada do edifício da Câmara Municipal de Lisboa, naquele que foi o primeiro momento de homenagem pública deste sábado ao que foi também presidente da autarquia da cidade entre 1990 e 1995.


Asselborn. Sampaio era "um grande político e homem próximo do povo"
Numa mensagem escrita em português, o Ministro dos Negócios Estrangeiros luxemburguês reage com tristeza à morte do "amigo de longa data".

À espera do cortejo fúnebre de Jorge Sampaio, estavam familiares (a mulher, Maria José Ritta, e os dois filhos), o atual presidente do executivo camarário, Fernando Medina, vereadores, deputados municipais, presidentes de freguesia e candidatos nas autárquicas de 26 de setembro, entre outras entidades.

Várias dezenas de populares juntaram-se também à homenagem na Praça do Município, onde se foram concentrando desde antes das 10h00 da manhã.

Na fachada do edifício da Câmara Municipal de Lisboa foram colocadas duas faixas com uma fotografia do antigo Presidente e a frase "obrigado Jorge Sampaio".

Foto: LUSA

Houve silêncio na Praça do Município quando o cortejo fúnebre chegou à porta da câmara e durante os minutos em que decorreu a cerimónia protocolar prevista, com a entrega, pelos familiares, das insígnias honoríficas (as condecorações nacionais) do antigo Presidente a três militares da GNR, que as transportaram até ao local do velório, para serem colocadas ao lado da urna.

Em seguida, Fernando Medina fez uma vénia perante o carro fúnebre que transportava o corpo do antigo Presidente e foi depois, quando a família de Jorge Sampaio se dirigiu para a viatura na qual integrou o cortejo, que as várias dezenas de pessoas presentes na praça iniciaram um aplauso que se prolongou por cerca de cinco minutos.

O cortejo fúnebre de Jorge Sampaio deixou a Praça do Município às 10h43, quando convidados e populares ainda aplaudiam o antigo Presidente.

Teresa Pereira, de 54 anos, com uma rosa branca na mão, foi uma das pessoas que esteve na Praça do Município para assistir e participar na homenagem a Jorge Sampaio, em “sinal de profunda gratidão” a “um verdadeiro estadista”, que mostrou, “até ao último momento”, que “a política é servir o bem comum e não servir os próprios interesses”, disse à Lusa.


O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, faz uma declaração sobre a morte do antigo Presidente da República, Jorge Sampaio (não aparece na fotografia), no Palácio de Belém, em Lisboa, 10 de setembro de 2021. O antigo Presidente da República, Jorge Sampaio, morreu hoje aos 81 anos.
Sampaio. Marcelo destaca "a corajosa serenidade de um grande senhor da democracia"
Para o atual Presidente da República, Marcelo Rebelo da Sousa, o ex-chefe de Estado "provou que se pode nascer privilegiado e converter a vida na batalha pelos não-privilegiados".

Palavras como “dignidade”, “humanismo”, “respeito pelos outros”, “grande democrata” foram repetidas pelas diversas pessoas com quem a Lusa falou para justificarem a sua presença neste momento de homenagem a Jorge Sampaio.

 O antigo Presidente da República Jorge Sampaio morreu na sexta-feira aos 81 anos, no hospital de Santa Cruz, em Carnaxide, Oeiras.

Jorge Sampaio foi secretário-geral do PS (1989-1992), presidente da Câmara Municipal de Lisboa (1990-1995) e Presidente da República (1996 e 2006).

Após a passagem pela Presidência da República, foi nomeado em 2006 pelo secretário-geral da Organização das Nações Unidas enviado especial para a Luta contra a Tuberculose e, entre 2007 e 2013, foi alto-representante da ONU para a Aliança das Civilizações.

Atualmente, presidia à Plataforma Global para os Estudantes Sírios, fundada por si em 2013 com o objetivo de contribuir para dar resposta à emergência académica que o conflito na Síria criara, deixando milhares de jovens sem acesso à educação.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

Ex-Presidente da República
O antigo Presidente da República Jorge Sampaio morreu esta sexta-feira aos 81 anos, disse à agência Lusa fonte da família.
O antigo Presidente da República, Jorge Sampaio, participa na sessão evocativa dos 30 anos do Moderno Planeamento Estratégico de Lisboa que foi introduzido durante o seu primeiro mandato na Câmara Municipal de Lisboa, no Cineteatro Capitólio, em Lisboa, 27 de janeiro de 2020. MÁRIO CRUZ/LUSA