Escolha as suas informações

Zuckerberg inicia hoje audições no congresso norte-americano
Mundo 2 min. 10.04.2018 Do nosso arquivo online

Zuckerberg inicia hoje audições no congresso norte-americano

Mark Zuckerberg.

Zuckerberg inicia hoje audições no congresso norte-americano

Mark Zuckerberg.
Foto: AFP
Mundo 2 min. 10.04.2018 Do nosso arquivo online

Zuckerberg inicia hoje audições no congresso norte-americano

Mark Zuckerberg assume que foi um "erro pessoal" não ter feito o suficiente para combater os abusos que afetaram a rede social, lançada em 2004.

O fundador do Facebook Mark Zuckerberg começa hoje a prestar esclarecimentos no Congresso dos Estados Unidos sobre o escândalo que envolve a obtenção de dados de utilizadores daquela reconhecida rede social pela consultora Cambridge Analytica.

Zuckerberg, que assume o cargo de presidente executivo da conhecida rede social, vai ser hoje ouvido na comissão de Justiça do Senado (câmara alta do Congresso). Na quarta-feira será a vez do fundador do Facebook prestar esclarecimentos na comissão de Comércio e de Energia da Câmara dos Representantes (câmara baixa do Congresso).

O Facebook está no centro de uma polémica internacional associada com a empresa Cambridge Analytica, acusada de ter recuperado dados de milhões de utilizadores daquela rede social, sem o seu consentimento, para elaborar um programa informático destinado a influenciar o voto dos eleitores, nomeadamente nas últimas eleições presidenciais norte-americanas, que ditaram a nomeação de Donald Trump para a Casa Branca, e no referendo sobre o ‘Brexit’ (processo de saída do Reino Unido da União Europeia).

Inicialmente foi avançado que o número de utilizadores afetado rondava os 50 milhões. Dias mais tarde, o Facebook admitiu que o número ascendia aos 87 milhões de utilizadores.

Na véspera do início destas audições no Congresso norte-americano, as agências internacionais citaram um texto no qual Mark Zuckerberg assume que foi um “erro pessoal” ao não ter feito o suficiente para combater os abusos que afetaram a rede social, lançada em 2004.

“Não fizemos o suficiente para impedir que estas ferramentas fossem mal utilizadas (…). Não tomámos uma medida suficientemente grande perante as nossas responsabilidades e foi um grande erro. Foi um erro meu e peço desculpa”, segundo o texto que Zuckerberg irá transmitir ao Congresso, citado pelas agências internacionais.

Na sequência deste escândalo, outros órgãos nacionais e internacionais solicitaram a presença de Mark Zuckerberg para prestar esclarecimentos. Foi o caso do Parlamento Europeu e do Parlamento do Reino Unido. Nos dois casos, o convite foi, até à data, recusado.

Na sexta-feira, a Comissão Europeia afirmou ter tido indicações do Facebook que dados de “até 2,7 milhões” de utilizadores daquela rede social a residir na União Europeia poderiam ter sido transmitidos de “maneira inapropriada” à empresa britânica Cambridge Analytica.

No Luxemburgo, o número de utilizadores afetados poderá rondar os 2.645.


Notícias relacionadas

O Facebook admitiu à Comissão Europeia que os dados de "até 2,7 milhões" de utilizadores daquela rede social a residir na União Europeia possam ter sido transmitidos de "maneira inapropriada" à empresa britânica Cambridge Analytica. No Luxemburgo, o desvio de dados pessoais de utilizadores do Facebook poderá ter afetado 2.645 pessoas. Em Portugal foram cerca de 63 mil.
(FILES) In this file photo taken on March 22, 2018 a cellphone and a computer screen display the logo of the social networking site Facebook in Asuncion.
Up to 2.7 million people in the European Union may have been affected by the Facebook personal data scandal, the bloc announced April 6, saying they would demand further answers from the social media giant. / AFP PHOTO / NORBERTO DUARTE
O CEO do Facebook deu uma entrevista à CNN, admitiu que a fuga e manipulação de informações de mais de 50 milhões de utilizadores da rede social "foi uma quebra de confiança e isso é grave" e mostrou disponibilidade para responder a questões no Congresso norte-americano.
O presidente do Parlamento Europeu, Antonio Tajani, instou hoje o fundador e administrador executivo do Facebook, Mark Zuckerberg, a prestar contas aos eurodeputados sobre o uso de dados de cidadãos europeus na sequência do escândalo da Cambridge Analytica.
(FILES) In this file photo taken on June 24, 2016 Facebook CEO and founder Mark Zuckerberg speaks during a discussion at the Global Entrepreneurship Summit at Stanford University in Palo Alto, California.
Facebook shares plunged March 19, 2018 as the social media giant was pounded by criticism at home and abroad over revelations that a firm working for Donald Trump's presidential campaign harvested and misused data on 50 million members.Calls for investigations came on both sides of the Atlantic after Facebook responded to explosive reports of misuse of its data by suspending the account of Cambridge Analytica, a British firm hired by Trump's 2016 campaign.Democratic Senator Amy Klobuchar and Republican John Kennedy called for Facebook chief Mark Zuckerberg to appear before Congress, along with Google and Twitter's CEOs.
 / AFP PHOTO / MANDEL NGAN
Antonio Tajani, presidente da instituição, admitiu que será realizado um processo de averiguações para avaliar se a rede social agiu com fins políticos no uso dos dados de mais de 50 milhões de utilizadores.