Escolha as suas informações

Zelensky liberta presos com experiência militar para lutarem contra russos
Mundo 28.02.2022 Do nosso arquivo online
Guerra na Ucrânia

Zelensky liberta presos com experiência militar para lutarem contra russos

Guerra na Ucrânia

Zelensky liberta presos com experiência militar para lutarem contra russos

AFP
Mundo 28.02.2022 Do nosso arquivo online
Guerra na Ucrânia

Zelensky liberta presos com experiência militar para lutarem contra russos

Lusa
Lusa
"A decisão não foi fácil, do ponto de vista moral, mas útil do ponto de vista de nossa proteção", declarou o Presidente ucraniano.

O Presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, decidiu libertar os presos com experiência militar para se juntarem à luta contra as forças russas, que há cinco dias lançaram uma ofensiva contra a Ucrânia.

"Sob a lei marcial, os participantes nas hostilidades, ucranianos com experiência de combate, serão libertados e poderão expiar a sua culpa nos lugares mais perigosos da guerra. A chave agora é a defesa", afirmou Zelensky. "Qualquer pessoa que se possa juntar à luta contra os ocupantes o deve fazer. A decisão não foi fácil, do ponto de vista moral, mas útil do ponto de vista de nossa proteção", declarou o Presidente ucraniano.


Cessar-fogo e retirada das tropas russas. As condições que a Ucrânia vai levar à discussão com a Rússia
Kremlin diz que quer encontrar "um acordo" durante as conversações, que têm lugar na fronteira com a Bielorrússia, esta segunda-feira, mas avisa que o acordo "deve ser do interesse das duas partes"

"Quando me candidatei à Presidência, disse que cada um de nós é Presidente, porque todos nós somos responsáveis pelo nosso Estado. Pela nossa linda Ucrânia. E, agora, cada um de nós tornou-se um combatente", sublinhou, mais cedo, numa mensagem de vídeo antes do início das negociações russo-ucranianas na fronteira da Ucrânia com a Bielorrússia.

Zelensky, falando em ucraniano, afirmou que em apenas quatro dias de invasão russa, dezasseis crianças ucranianas foram mortas em bombardeamentos russos e outras 45 ficaram feridas.

A Rússia lançou na quinta-feira de madrugada uma ofensiva militar na Ucrânia, com forças terrestres e bombardeamento de alvos em várias cidades, que já mataram cerca de 200 civis, incluindo crianças, segundo Kiev. A ONU deu conta de perto de 370 mil deslocados para a Polónia, Hungria, Moldova e Roménia.

O Presidente russo, Vladimir Putin, disse que a "operação militar especial" na Ucrânia visa desmilitarizar o país vizinho e que era a única maneira de a Rússia se defender, precisando o Kremlin que a ofensiva durará o tempo necessário.

O ataque foi condenado pela generalidade da comunidade internacional e a União Europeia e os Estados Unidos, entre outros, responderam com o envio de armas e munições para a Ucrânia e o reforço de sanções para isolar ainda mais Moscovo.  

O Contacto tem uma nova aplicação móvel de notícias. Descarregue aqui para Android e iOS. Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas