Escolha as suas informações

Votação arranca com atraso em algumas mesas
Mundo 2 min. 20.03.2016 Do nosso arquivo online
Eleições em Cabo Verde

Votação arranca com atraso em algumas mesas

Eleições em Cabo Verde

Votação arranca com atraso em algumas mesas

Foto: Lusa
Mundo 2 min. 20.03.2016 Do nosso arquivo online
Eleições em Cabo Verde

Votação arranca com atraso em algumas mesas

A votação para as legislativas em Cabo Verde arrancou hoje com relativa normalidade, embora com atrasos na constituição de algumas mesas de voto na cidade da Praia.

A votação para as legislativas em Cabo Verde arrancou hoje com relativa normalidade, embora com atrasos na constituição de algumas mesas de voto na cidade da Praia.

Cerca de uma hora depois da abertura das urnas, em alguns locais de voto na Achada de Santo António, o bairro mais populoso da Praia, a agência Lusa constatou que havia ainda várias mesas que não tinham sido abertas e outras que não estavam constituídas por não haver elementos suficientes. E por causa disso, vários eleitores ainda não tinham exercido o seu direito de voto, como é o caso de Venâncio Cardoso Gonçalves, 66 anos, que disse à Lusa que já estava há cerca de uma hora à espera para votar.

O eleitor mostrou-se indignado "pela desorganização" e considerou que mais tarde, com maior afluência, esta situação poderá criar mais constrangimentos e contestação. "Normalmente, no dia da votação, as pessoas têm tendência para deixar para vir mais tarde, e quando afluem muitas pessoas, pode dar origem a contestações que são, em princípio, evitáveis, caso os trabalhos fossem melhor organizados", salientou.

"Na verdade, a gente tem outros compromissos. Vim logo cedo para poder despachar disso e estou aqui há uma hora à espera. Imagino quantas outras pessoas estão na mesma situação", lamentou Venâncio Gonçalves, que ia votar numa mesa instalada na escola técnica Cesaltina Ramos, em Achada de Santo António.

A maioria das mesas em duas escolas deste bairro visitadas pela Lusa estava, no entanto, a funcionar normalmente, com existências já de algumas filas de pessoas para votar. O mesmo também estava a acontecer numa escola primária no bairro de Terra Branca, a menos de um quilómetro de distância, onde Laurinda Andrade votou sem constrangimentos. "Aqui não houve nenhum atraso. Está a correr tudo bem e espero que continue assim com a graça de Deus", disse a eleitora.

Apesar de um ou outro constrangimento no arranque da votação, tanto Venâncio Gonçalves como Laurinda Andrade apelam aos cabo-verdianos para irem votar porque é um "direito cívico de todos" e deve ser feito "em consciência".

Nas mesas de voto em Achada de Santo António, a agência Lusa encontrou dois dos 20 observadores da União Africana para as eleições, que também constataram os atrasos na constituição de algumas mesas de voto.

Mais de 350 mil eleitores cabo-verdianos estão hoje a votar para eleger os 72 deputados ao parlamento nacional, de onde sairá o Governo para os próximos cinco anos, naquelas que são as sextas eleições multipartidárias no país.

No Luxemburgo, estão inscritas 1.300 pessoas para votar, “10% dos cerca de 10 mil cabo-verdianos” no país, segundo o delegado da Comissão Nacional das Eleições do país no Luxemburgo, Gilson Lopes.

Os cabo-verdianos que estão recenseados podem votar hoje entre as 8h e as 18h, numa das quatro mesas de voto, em função da residência. Duas mesas vão estar na Embaixada de Cabo Verde (Val Ste. Croix, n° 117), na cidade do Luxemburgo, uma na comuna de Esch-sur-Alzette (Place de l’Hôtel de Ville) e outra na autarquia de Ettelbruck (Place de l’Hôtel de Ville).


Notícias relacionadas