Escolha as suas informações

Voos comerciais cancelados no aeroporto de Cabul
Mundo 2 min. 16.08.2021 Do nosso arquivo online
Afeganistão

Voos comerciais cancelados no aeroporto de Cabul

Afeganistão

Voos comerciais cancelados no aeroporto de Cabul

Foto: AFP
Mundo 2 min. 16.08.2021 Do nosso arquivo online
Afeganistão

Voos comerciais cancelados no aeroporto de Cabul

Ana TOMÁS
Ana TOMÁS
Caos no aeroporto com milhares de pessoas desesperadas para sair do país, depois da tomada do poder pelos talibãs, levou ao cancelamento dos voos comerciais. França e Alemanha já estão a preparar voos de repatriamento.

Os voos comerciais a partir de Cabul foram cancelados. A decisão foi tomada na sequência do caos que se instalou no aeroporto da cidade, com milhares de pessoas a tentarem sair do país, após os talibãs terem retomado o poder no Afeganistão, este domingo.

"Não haverá voos comerciais do aeroporto Hamid Karzai, para evitar roubos e pilhagens. Por favor, não acorram ao aeroporto", pedem as autoridades responsáveis pelo aeroporto de Cabul, numa mensagem enviada à imprensa, citada pela Al Jazeera.


Secretário-geral da ONU preocupado com situação das mulheres e meninas face ao regresso dos talibãs
Regresso dos talibãs ao poder põe em perigo os direitos readquiridos pela população do sexo feminino, nos últimos anos, mas também a sua segurança.

Pelo menos cinco pessoas terão sido mortas, em circunstâncias por apurar, no aeroporto Hamid Karzai,  quando centenas de pessoas tentavam entrar à força em aviões que saíam da capital afegã, de acordo com relatos de testemunhas à agência Reuters. Uma das testemunhas diz ter visto os corpos de cinco pessoas a serem levados para um veículo, enquanto outra afirma não ser claro se as vítimas foram mortas a tiro ou numa debandada. As tropas norte-americanas, que estão a controlar o aeroporto, dispararam para o ar para dispersar a multidão, confirmou um funcionário norte-americano.

A Autoridade da Aviação Civil do Afeganistão avisa no seu site que o espaço aéreo de Cabul foi libertado para as forças militares ainda no território e aconselha os aviões comerciais em trânsito a alterarem as suas rotas. O organismo avisa que qualquer trânsito pelo espaço aéreo de Cabul não será controlado.

Entretanto, a Alemanha e a França vão enviar para o Afeganistão voos militares para retirarem os respetivos cidadãos nacionais, sobretudo funcionários diplomáticos, refere a agência Lusa.

A primeira ligação aérea para retirada de cidadãos franceses organizada pelo executivo de Paris deve ocorrer até ao fim do dia desta segunda, disse a ministra das Forças Armadas, Florence Parly.


Jean Asselborn sobre Afeganistão. "Temos de manter a nossa influência com os talibãs"
O ministro dos Negócios Estrangeiros do Luxemburgo espera agora que a transição aconteça sem "derramamento de sangue".

A rotação de voos vai efetuar-se entre uma base francesa nos Emirados Árabes Unidos e a capital do Afeganistão.

De acordo com a ministra vão ser repatriados "algumas dezenas de franceses" assim como vão ser retirados do Afeganistão "pessoas que se encontram" sob a proteção de Paris.  

Já a Alemanha enviou hoje para Cabul o primeiro aparelho de transporte (A400M) da Força Aérea para retirar do Afeganistão pessoal da embaixada, cidadãos alemães e trabalhadores afegãos contratados localmente. 

No domingo, partiu da capital afegã um aparelho norte-americano, com 40 cidadãos alemães a bordo e que já se encontra no Qatar, de acordo com a televisão ARD. 

Vários elementos da embaixada da Alemanha ainda se encontram no terminal militar do aeroporto de Cabul, protegidos por soldados dos Estados Unidos, disse no domingo o ministro dos Negócios Estrangeiros alemão, Heiko Maas.

 

A prioridade concedida à evacuação de diplomatas já levou vários ativistas afegãos a protestarem, sobretudo face às imagens que vão surgindo nas redes sociais de centenas de pessoas a forçarem a entrada em aviões este domingo. "Este é o nosso aeroporto, mas estamos a ver diplomatas a serem evacuados enquanto esperamos com total incerteza", critica Rakhshanda Jilali, uma ativista dos direitos humanos que estava a tentar chegar ao Paquistão, numa mensagem à agência noticiosa Reuters.  

Com agências

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

O grupo do Estado Islâmico, rival dos Taliban, representa a maior ameaça à retirada após ter levado a cabo um ataque suicida à bomba no aeroporto na semana passada, que ceifou mais de 100 vidas, incluindo 13 tropas norte-americanas.
O presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, disse hoje estar “muito preocupado” com as notícias relativas a uma explosão junto ao aeroporto de Cabul, no Afeganistão, garantindo que a União Europeia (UE) irá acompanhar a situação de perto.
A situação no Aeroporto Internacional Hamid Karzai, cujas pistas foram invadidas por milhares de pessoas tentando desesperadamente fugir do Afeganistão, obrigou a que todos os voos fossem suspensos por várias horas esta segunda-feira.