Escolha as suas informações

Violência durante manifestação em Paris fez 133 feridos e 412 detidos pela polícia
Workers clean around the "Arc de Triomphe" a day after a Yellow vests (Gilets jaunes) demonstration against rising oil prices and living costs, on December 2, 2018 in Paris. A grffiti on the monument reads "yellow vests will triumph". - Anti-government protesters torched dozens of cars and set fire to storefronts during daylong clashes with riot police across central Paris yesterday, as thousands took part in fresh "yellow vest" protests against high fuel taxes. (Photo by Geoffroy VAN DER HASSELT / AFP)

Violência durante manifestação em Paris fez 133 feridos e 412 detidos pela polícia

AFP
Workers clean around the "Arc de Triomphe" a day after a Yellow vests (Gilets jaunes) demonstration against rising oil prices and living costs, on December 2, 2018 in Paris. A grffiti on the monument reads "yellow vests will triumph". - Anti-government protesters torched dozens of cars and set fire to storefronts during daylong clashes with riot police across central Paris yesterday, as thousands took part in fresh "yellow vest" protests against high fuel taxes. (Photo by Geoffroy VAN DER HASSELT / AFP)
Mundo 02.12.2018

Violência durante manifestação em Paris fez 133 feridos e 412 detidos pela polícia

A violência que ocorreu no sábado em Paris durante a manifestação dos "coletes amarelos" provocou 133 feridos e 412 pessoas foram detidas, das quais 378 ficaram sob custódia policial, segundo dados de hoje da polícia francesa.


Entre os 133 feridos, 23 são polícias, detalhou a sede da polícia de Paris.

Durante todo o dia de sábado, Paris foi palco de grande violência urbana no oeste e no centro da capital francesa durante a manifestação dos "coletes amarelos".

O Presidente francês, Emmanuel Macron, convocou para hoje uma reunião de emergência do executivo ao mais alto nível para discutir os incidentes de sábado em Paris durante a manifestação dos “coletes amarelos”, que já se tornou uma crise política de grandes proporções.

Macron deverá chegar no final da manhã da Argentina, onde participou na cimeira do G20, e vai reunir-se com o primeiro-ministro, Edouard Philippe, com o ministro do Interior, Christophe Castaner, e “os serviços competentes” para tentar encontrar uma resposta ao movimento que já está fora do controlo.

O movimento de "coletes amarelos" nasceu espontaneamente num sinal de protesto contra a taxação de combustíveis em França.

As ações de contestação estão a causar grande embaraço ao Governo francês, tendo corrido mundo as imagens dos violentos confrontos entre manifestantes vestindo coletes amarelos e a polícia, no sábado, na emblemática avenida dos Campos Elíseos, em Paris.

As reivindicações dos coletes amarelos não mudaram, mesmo depois do Presidente Emmanuel Macron se ter dirigido à nação na passada terça-feira.

A grande carga de impostos, perda do poder de compra e desilusão geral com o Governo são as queixas mais comuns entre quem está a manifestar nas ruas do país.


Notícias relacionadas

Governo francês suspende aumento da taxa dos combustíveis
O anúncio desta baixa nos impostos, que o executivo até agora rejeitou fortemente, acontece depois de três semanas de bloqueios e manifestações violentas em todo o território francês, que culminaram com cenas de tumultos em Paris no sábado.