Escolha as suas informações

Venezuela prolonga quarentena por mais 30 dias
Mundo 11.07.2020

Venezuela prolonga quarentena por mais 30 dias

Venezuela prolonga quarentena por mais 30 dias

AFP
Mundo 11.07.2020

Venezuela prolonga quarentena por mais 30 dias

Em alerta desde meados de março, o governo tem vindo a reforçar as restrições para evitar uma escalada de novos casos, num equilíbrio difícil entre a saúde pública e as sanções económicas norte-americanas que impedem o país de comprar medicamentos.

A Venezuela prolongou até 13 de agosto, o estado de exceção em vigor desde março, numa altura em que o país da América Latina contabiliza um total de 8.803 casos confirmados. 

“O Presidente Nicolás Maduro pediu para prolongar por mais um mês o estado de alarme constitucional, para continuar a combater a pandemia no nosso país”, oficializou a vice-presidente da Venezuela, Delcy Rodríguez num contacto telefónico com a televisão estatal, VTV. O objetivo é "romper cadeias de transmissão". 

Ministros e autarcas infetados

Entre os venezuelanos infetados, contam-se já altos dirigentes chavistas. Além do Presidente da Assembleia Nacional, Diosdado Cabello, também o vice-presidente de Economia e Petróleo da Venezuela, Tareck El Aissami, anunciou, através do Twitter que estava em confinamento depois de ter testado positivo para o novo coronavírus.

“Hoje iniciei o isolamento, com todos os protocolos médicos, de pois de testar positivo para a covid-19. Uma nova batalha que assumo aferrado a Deus e à vida”, explicou.

Aos políticos que contrariam covid-19 somam-se o governador do Estado venezuelano de Sucre, assim como o governador de Zulia. 

Combater o vírus

Na Venezuela estão  confirmados 8.803 casos de pessoas infetadas e 83 mortes associadas ao novo coronavírus. Em alerta desde meados de março, o governo tem vindo a reforçar as restrições para evitar uma escalada de novos casos, num equilíbrio difícil entre a manutenção das sanções económicas norte-americanas que paralisaram grande parte da economia do país. 

Se depois dos casos de Itália e Espanha, onde os médicos foram obrigados a escolher tratar ou deixar morrer pacientes, a máxima mundial passou a ser a de evitar a sobrelotação dos hospitais, na Venezuela o objetivo tem ainda mais relevância com o Estado impedido de comprar medicamentos e equipamentos clínicos no livre mercado.  

Até ordem em contrário o uso de máscara é obrigatório e a ordem é ficar em casa. Os voos nacionais e internacionais continuam restringidos.


Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas