Escolha as suas informações

Venezuela. Guaidó anuncia que militares estão do seu lado e pede aos venezuelanos que saiam à rua
Mundo 2 min. 30.04.2019

Venezuela. Guaidó anuncia que militares estão do seu lado e pede aos venezuelanos que saiam à rua

Venezuela. Guaidó anuncia que militares estão do seu lado e pede aos venezuelanos que saiam à rua

Foto: dpa
Mundo 2 min. 30.04.2019

Venezuela. Guaidó anuncia que militares estão do seu lado e pede aos venezuelanos que saiam à rua

"O 1 de maio, o fim definitivo de usurpação começou hoje", disse Guaidó num vídeo publicado na sua conta na rede social Twitter.

O Presidente interino da Venezuela, Juan Guaidó, anunciou hoje que os militares deram “finalmente de vez o passo” para acompanhá-lo e conseguir "o fim definitivo da usurpação” do Governo do Presidente Nicolás Maduro. "O 1 de maio, o fim definitivo de usurpação começou hoje", disse Guaidó num vídeo publicado na sua conta na rede social Twitter, no qual se pode ver o Presidente interino com um grupo de soldados na base de La Carlota, a leste de Caracas.

"São muitos os militares. A família militar de uma vez (por todas) deu o passo. A todos aqueles que estão a ouvir-nos: é o momento, o momento é agora, não só de calma, mas de coragem e sanidade para que chegue a sanidade à Venezuela. Deus os abençoe, estamos a avançar. Vamos recuperar a democracia e a liberdade na Venezuela, referiu Guaidó.

No vídeo, Juan Guaidó chamou às ruas todos os venezuelanos que nas últimas semanas se comprometeram a demonstrar nas ruas que exigem a saída de Nicolas Maduro, Presidente e chefe de Governo contestado. "Contamos com o povo da Venezuela de hoje, as forças armadas estão claramente do lado das pessoas, estão do lado da Constituição, leais ao povo da Venezuela, às suas famílias, ao futuro, ao progresso", disse Guaidó.


TOPSHOT - Members of the Bolivarian National Guard loyal to Venezuelan President Nicolas Maduro run under a cloud of tear gas after being repelled with rifle fire by guards supporting Venezuelan opposition leader and self-proclaimed acting president Juan Guaido in front of La Carlota military base in Caracas on April 30, 2019. - Guaido said on Tuesday that troops had joined his campaign to oust President Nicolas Maduro as the government vowed to put down what it called an attempted coup. (Photo by Yuri CORTEZ / AFP)
Fotos. Centenas de venezuelanos nas ruas de Caracas
O Presidente autoproclamado da Venezuela em janeiro passado, Juan Guaidó, anunciou hoje que os militares estão do seu lado e pediu aos venezuelanos que saiam à rua.

Por seu lado, o Governo do Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, denunciou que está a enfrentar um golpe de Estado, de "um reduzido grupo de militares traidores" que estão a ser neutralizados. "Informamos o povo da Venezuela que neste momento estamos a enfrentar e desativar um reduzido grupo de militares traidores que se posicionaram no Distribuidor Altamira (leste de Caracas), para promover um golpe de Estado contra a Constituição e a paz da República", anunciou o ministro venezuelano de Comunicação e Informação na sua conta do Twitter.

Segundo Jorge Rodríguez "a esta tentativa" de golpe "uniu-se a ultradireita golpista e assassina, que anunciou a sua agenda violenta desde há meses".

Guaidó autoproclamou-se Presidente interino da Venezuela a 23 de janeiro deste ano e foi reconhecido por menos de meia centena de países, incluindo Portugal e o Luxemburgo. Na altura, Nicolás Maduro, no poder desde 2013, denunciou a iniciativa do presidente do parlamento como uma tentativa de golpe de Estado liderada pelos Estados Unidos. 

Cerca de 3,4 milhões de pessoas já deixaram a Venezuela desde o início da atual crise política e económica. À volta de 300 mil portugueses ou lusodescendentes vivem atualmente no país. Só nos consulados de Caracas e Valência estão inscritos 180 mil portugueses e luso-descendentes. O secretário de Estado das Comunidades, José Luís Carneiro, aconselhou, por isso, a comunidade portuguesa e lusodescendente residente na Venezuela a adotar medidas de segurança e comportamentos prudentes nas próximas horas, face à situação que se vive no país.

(Com Lusa)


Notícias relacionadas