Escolha as suas informações

Venezuela. Cinco mortos e 233 detidos nos acontecimentos de 30 de abril
Mundo 07.05.2019

Venezuela. Cinco mortos e 233 detidos nos acontecimentos de 30 de abril

Venezuela. Cinco mortos e 233 detidos nos acontecimentos de 30 de abril

Foto: AFP
Mundo 07.05.2019

Venezuela. Cinco mortos e 233 detidos nos acontecimentos de 30 de abril

O autoproclamado Presidente da Venezuela, Juan Gaidó, desencadeou no dia 30 de abril um ato de força contra o regime de Nicolás Maduro. Essa ação foi encarada por Maduro como uma tentativa de golpe de Estado, o que levou a vários confrontos na rua entre militares e civis.

O procurador-geral da Venezuela, Tarek William Saab, confirmou esta segunda-feira que cinco pessoas morreram e 233 pessoas foram presas pelo alegado envolvimento nos acontecimentos de 30 de abril.

Nesse dia, um grupo de militares e civis declararam apoiar o autoproclamado Presidente interino da Venezuelana, Juan Guaidó, que é, também, o presidente do parlamento venezuelano, no qual a oposição tem a maioria.


TOPSHOT - Members of the Bolivarian National Guard loyal to Venezuelan President Nicolas Maduro run under a cloud of tear gas after being repelled with rifle fire by guards supporting Venezuelan opposition leader and self-proclaimed acting president Juan Guaido in front of La Carlota military base in Caracas on April 30, 2019. - Guaido said on Tuesday that troops had joined his campaign to oust President Nicolas Maduro as the government vowed to put down what it called an attempted coup. (Photo by Yuri CORTEZ / AFP)
Fotos. Centenas de venezuelanos nas ruas de Caracas
O Presidente autoproclamado da Venezuela em janeiro passado, Juan Guaidó, anunciou hoje que os militares estão do seu lado e pediu aos venezuelanos que saiam à rua.

"Há aproximadamente 233 pessoas presas e cinco pessoas morreram. Todos esses casos estão a ser investigados pelo Ministério Público e terão conclusões definitivas ", garantiu Tarek William Saab.

Em declarações ao canal privado venezuelano Venevisión, o procurador-geral explicou ainda que, "até ao momento, foram emitidas 18 ordens de detenção para civis e militares, inclusive de baixa patente, como sargentos".

Tarek William Saab adiantou que naquele dia “parlamentares e alguns oficiais com patente de tenente-coronel” agiram “fora da lei".


Militar lusodescendente acusado de 'traição' a Maduro
Lusodescendente, que é chefe do Estado-Maior das Forças Armadas venezuelanas, foi ontem dado como sendo o comandante da revolta promovida pelo autoproclamado presidente interino Juan Guaidó.

"O primeiro deles foi quem era o chefe do destacamento da Guarda Nacional Bolivariana, no Palácio Legislativo (Assembleia Nacional), Ilich Sánchez Farias", declarou.

Tarek William Saab frisou que Ilich Sánchez Farias "enganou as suas tropas", às quais ordenou "executar uma operação de rotina”, mas mudou-se “para o Distribuidor Altamira em Caracas, onde estavam Guaidó e Leopoldo López [líder do partido Vontade Popular, o mesmo de Juan Guaidó]”.

O autoproclamado Presidente da Venezuela, Juan Gaidó, desencadeou na madrugada de dia 30 de abril um ato de força contra o regime de Nicolás Maduro em que envolveu militares e para o qual apelou à adesão popular.


Venezuela. Portugueses saíram à rua para apoiar Juan Guaidó
À volta de 300 mil portugueses ou lusodescendentes vivem atualmente no país.

O regime ripostou, considerando que estava em curso uma tentativa de golpe de Estado.

Apesar de Juan Guaidó ter afirmado ao longo desse dia que tinha os militares do seu lado, nenhuma unidade militar aderiu à iniciativa, nem se confirmou qualquer deserção de altas patentes militares fiéis ao Presidente do país, Nicolás Maduro.

Lusa


Notícias relacionadas

Venezuela. União Europeia exige "máxima contenção"
O autoproclamado Presidente interino da Venezuela, Juan Guaidó, desencadeou esta terça-feira de madrugada um ato de força contra o regime de Nicolás Maduro em que envolveu militares e para o qual apelou à adesão popular.
30.04.2019, Venezuela, Caracas: Ein Demonstrant sucht Schutz hinter einem Baum, während Demonstranten mit Sicherheitskräften des venezolanischen Staates zusammenstoßen. Der venezolanische Oppositionsführer Guaido und der inhaftierte Oppositionsführer Lopez riefen Soldaten und die Bevölkerung dazu auf, gegen die Regierung auf die Straßen zu gehen. Foto: Ruben Sevilla Brand/dpa +++ dpa-Bildfunk +++