Escolha as suas informações

Venezuela: Caracas é hoje palco de manifestações pró e contra regime
Mundo 2 min. 09.03.2019

Venezuela: Caracas é hoje palco de manifestações pró e contra regime

Venezuela: Caracas é hoje palco de manifestações pró e contra regime

Foto: AFP
Mundo 2 min. 09.03.2019

Venezuela: Caracas é hoje palco de manifestações pró e contra regime

Na Venezuela residem cerca de 300.000 portugueses ou lusodescendentes.

Caracas é hoje palco de manifestações pró e contra o regime, em mais uma etapa da crescente divisão que grassa na sociedade venezuelana.

Os apoiantes do Presidente Nicolas Maduro foram convocados para participar numa marcha anti-imperialista, enquanto a oposição, liderada pelo autoproclamado Presidente interino, Juan Guaidó, sai às ruas para pedir “liberdade”.

Na terça-feira, Nicolás Maduro, apelou aos seus apoiantes para integrem a marcha anti-imperialista, no sábado, por nesse dia se cumprirem quatro anos que o ex-Presidente norte-americano Barack Obama assinou um decreto considerando a Venezuela uma ameaça para a segurança dos Estados Unidos.

“Decretei o dia 09 de março como dia bolivariano do anti-imperialismo e vamos às ruas", disse Maduro na terça-feira.

A convocação da marcha anti-imperialista foi feita uma dia depois de Juan Guaidó, perante milhares de simpatizantes, ter apelado aos venezuelanos para marcharem hoje pela liberdade, insistindo que tem uma rota definida para o país, da qual faz parte "o fim da usurpação, um governo de transição e eleições livres".

No próximo sábado, disse, "toda a Venezuela voltará às ruas em busca de liberdade".

O autoproclamado Presidente interino da Venezuela, Juan Guaidó, chegou na tarde de segunda-feira ao aeroporto internacional de Caracas, onde foi recebido por uma multidão composta por apoiantes e embaixadores de vários países europeus e latino-americanos, segundo imagens transmitidas em direto.

Entre os embaixadores europeus estava o de Portugal, Carlos Nuno Almeida de Sousa Amaro, confirmaram fontes diplomáticas à agência Lusa.

Guaidó, reconhecido Presidente interino venezuelano por cerca de 50 países, regressou à Venezuela após um périplo de uma semana por vários países daquela região.

Ao fazer essa viagem, o líder da oposição contornou a proibição de saída do país decretada pela justiça venezuelana por estar em curso uma investigação relacionada com a sua autoproclamação como presidente interino, arriscando-se a ser detido quando regressasse à Venezuela.

A crise política na Venezuela agravou-se em 23 de janeiro, quando Juan Guaidó se autoproclamou Presidente da República interino e declarou que assumia os poderes executivos de Nicolás Maduro.


Venezuela. Apagão dura quase há 20 horas
Quase 90% do país está às escuras. Governo de Maduro atribui a situação a uma "sabotagem de forças extremistas com apoio de imperialistas".

Guaidó contou de imediato com o apoio dos Estados Unidos e prometeu formar um governo de transição e organizar eleições livres.

Nicolás Maduro, no poder desde 2013, denunciou a iniciativa do presidente do parlamento como uma tentativa de golpe de Estado liderada pelos Estados Unidos.

A maioria dos países da União Europeia, entre os quais Portugal, reconheceram Guaidó como Presidente interino encarregado de organizar eleições livres e transparentes.

Na Venezuela residem cerca de 300.000 portugueses ou lusodescendentes.


Notícias relacionadas