Escolha as suas informações

Venezuela. Apagão dura quase há 20 horas
Mundo 2 min. 08.03.2019

Venezuela. Apagão dura quase há 20 horas

Venezuela. Apagão dura quase há 20 horas

Foto: AFP
Mundo 2 min. 08.03.2019

Venezuela. Apagão dura quase há 20 horas

Quase 90% do país está às escuras. Governo de Maduro atribui a situação a uma "sabotagem de forças extremistas com apoio de imperialistas".

O líder oposição da Venezuela, Juan Guaidó, deslocou-se hoje a várias ruas de Caracas na sequência de uma falha geral de eletricidade que se prolonga há quase 20 horas, atribuída pelo regime a uma sabotagem promovida pelos EUA.

O chefe do parlamento, que se autoproclamou Presidente interino, disse que as comunicações serão “difíceis” quando o apagão atinge cerca de 90% do país, considerou “importante seguir e contestar a informação oficial” e voltou a apelar às mobilizações convocadas no sábado no país para exigir o “fim da usurpação”.

“A corrupção e o desastre são as responsáveis por esta situação”, considerou Guaidó, ao lamentar que a Venezuela, que possui as maiores reservas de petróleo, esteja a ser afetada por cortes elétricos.

A Venezuela depara-se desde quinta-feira com um apagão que afeta pelo menos 11 Estados e a capital Caracas. O corte elétrico ocorreu às 17:00 locais (22:00 no Luxemburgo).

Hoje, o Governo de Nicolás Maduro ordenou a suspensão do dia de trabalho nos setores público e privado, também extensível aos estabelecimentos de ensino.

Através de uma declaração transmitida por diversos meios de comunicação, a vice-Presidente Delcy Rodriguez anunciou que a medida foi decidida devido a uma “sabotagem elétrica” organizada pela “oposição extremista” venezuelana “em cumplicidade com poderes imperiais”, que não especificou.

A Empresa Elétrica Nacional (Corpoelec) reagiu quase de imediato, ao anunciar que a distribuição de energia fora sabotada na instalação de Guri, a mais importante de todo o sistema.

O ministro responsável pela área, Luis Motta Domínguez, assegurou em declarações à televisão estatal VTV que o corte se devia a uma “sabotagem”.

“Fomos novamente alvo da guerra elétrica (…) mas como sabem aqui existe um Governo moralizado, não nos vão derrotar”, afirmou o ministro na quinta-feira, na ocasião prevendo o restabelecimento do serviço em algumas horas.

Hoje, as ruas do país estavam quase vazias, enquanto o comércio, escolas e universidades permaneciam encerrados, referiu a agência noticiosa Efe.

As poucas estações de gasolina em funcionamento registavam um grande afluxo e eram vigiadas pela polícia, enquanto os serviços de saúde apenas asseguravam os casos mais urgentes.

Lusa

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba a nossa newsletter das 17h30.


Notícias relacionadas

Oposição e simpatizantes do regime voltam hoje às ruas de Caracas
O autoproclamado Presidente interino da Venezuela, Juan Guaidó, anunciou que a oposição vai marchar para "acabar com a escuridão", no leste de Caracas, concentrando-se pelas 11:00 locais (16:00 de Lisboa) junto à sede da estatal Corporação Elétrica Nacional (Corpoelec) em El Marques.