Escolha as suas informações

Venezuela. Ajuda humanitária bloqueada

Venezuela. Ajuda humanitária bloqueada

Foto: AFP
Mundo 06.02.2019

Venezuela. Ajuda humanitária bloqueada

Deputado da oposição fez a denúncia. Maduro defende que "o país não precisa de esmolas. Se querem ajudar ponham fim ao bloqueio e às sanções".

Um deputado da oposição venezuelana denunciou que militares bloquearam, na terça-feira, uma ponte na fronteira com a Colômbia, por onde devia chegar ajuda humanitária internacional.

O acesso à ponte de Tienditas, que liga as localidades de Cucuta (Colômbia) e Urena (Venezuela), está bloqueado por um camião-cisterna e um grande contentor, de acordo com uma equipa da agência de notícias France Presse (AFP).

"Efetivos do exército bloquearam a passagem" na tarde de terça-feira, afirmou Franklin Duarte, deputado do estado fronteiriço de Tachira.

Para o deputado, a passagem pela ponte foi cortada, na sequência de um incidente ocorrido em Urena, aquando da chegada de militares a bordo de veículos blindados para vigiar a fronteira.

Duarte afirmou que três pessoas ficaram feridas quando um dos blindados derrubou vários motociclistas.

Atualmente, a ponte de Tienditas não está a funcionar. A inauguração esteve prevista para 2016, mas o encerramento da fronteira entre a Venezuela e a Colômbia, decidido no final de 2015 pelo Presidente Nicolas Maduro. O levantamento desta decisão, alguns meses mais tarde, atrasou a abertura daquela infraestrutura.

De acordo com a imprensa local, esta ponte devia ser uma das vias escolhida para a entrada de ajuda humanitária internacional na Venezuela. Mas o deputado Duarte indicou que "isso não tinha sido decidido" até ao momento.

O opositor Juan Guaidó, reconhecido por 40 países como o Presidente interino da Venezuela, pediu às forças armadas que não impedissem a entrada em território venezuelano de ajuda humanitária.

A população venezuelana depara-se, há muito, com graves penúrias alimentares e de medicamentos, devido à crise económica no país.

Por seu lado, o Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, opõe-se à entrada de ajuda humanitária, que considera "um pretexto" para justificar uma eventual intervenção armada estrangeira.

"A Venezuela não precisa de esmolas", afirmou. "Se querem ajudar, ponham fim ao bloqueio e às sanções" contra o país, acrescentou.

Lusa

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba a nossa newsletter das 17h30.