Escolha as suas informações

Áustria recusa receber combatentes austríacos do grupo Estado Islâmico

Áustria recusa receber combatentes austríacos do grupo Estado Islâmico

Foto: REUTERS
Mundo 21.02.2019

Áustria recusa receber combatentes austríacos do grupo Estado Islâmico

"Não penso que devamos importar terroristas e simpatizantes do EI que representam uma bomba relógio para a nossa população", disse o ministro do Interior Herbert Kickl, acrescentando que "a segurança da população austríaca é o mais importante".

O Governo austríaco recusou esta quinta-feira a possibilidade de repatriar os seus nacionais que tenham combatido na Síria ao lado do grupo extremista Estado Islâmico (EI) para julgá-los, como pediu o Presidente dos Estados Unidos no domingo.


Só restam três jihadistas portugueses no Estado Islâmico e um é do Luxemburgo
O lusodescendente luxemburguês Steve Duarte, Nero Saraiva e Ângela Barreto são os três portugueses, que segundo fontes do serviços secretos portuguses, citados pelo semanário Expresso, continuam a lutar pelo Estado Islâmico. A estes somam-se 20 pessoas de origem portuguesa que foram capturadas por tropas curdas e governamentais.

"Não vamos fazer nada para trazer para a Áustria pessoas que tenham participado ou apoiado atrocidades terroristas no estrangeiro", disse o ministro do Interior, o ultranacionalista Herbert Kickl, na sua conta na rede social Facebook. "Não penso que devamos importar terroristas e simpatizantes do EI que representam uma bomba relógio para a nossa população". Para Kickl, "a segurança da população austríaca é o mais importante".

O Presidente dos EUA, Donald Trump, exigiu no domingo aos seus aliados europeus que se responsabilizem pelos seus nacionais membros do EI e capturados na Síria pelas milícias curdas, que devem responder perante a justiça do seu país.


O Estado Islâmico resiste à ofensiva apoiada pelos EUA
As forças democráticas sírias (FDS), coligação de forças árabes e curdas apoiada pelos norte-americanos, tinham anunciado previamente a sua vitória sobre o EI "nos próximos dias", mas os jihadistas, localizados numa pequena aldeia a menos de um quilómetro e meio de Bagouz, mostraram uma resistência feroz.

Estes combatentes estrangeiros do EI são prisioneiros das Forças Democráticas da Síria (FDS), uma aliança armada liderada por milícias curdas que diz ter detidos mais de 1.300 'jihadistas' estrangeiros. As FDS lideram desde setembro uma ofensiva contra os últimos redutos do EI na Síria, com a cobertura aérea da coligação internacional e o apoio das tropas norte-americanas no terreno. Aquelas forças dizem que não têm "tribunais reconhecidos" para julgar estes prisioneiros e alertam que, se nem os seus países de origem nem a ONU se encarregarem deles, poderá ter de libertá-los.

Segundo as autoridades austríacas, até 300 cidadãos da Áustria poderão ter-se juntado ao EI nos últimos anos, embora se estime que muitos tenham morrido e outros regressado.


27-year-old Steve Duarte has reportedly been a member of IS since 2014
E se o jihadista português voltar ao Luxemburgo?
Com a derrocada do Estado Islâmico na Síria, confinado a duas aldeias, ninguém sabe quantos jihadistas europeus poderão regressar aos seus países. O lusodescendente Steve Duarte, filho de imigrantes portugueses no Luxemburgo, poderá estar entre eles.

O ministro do Interior alemão manifestou-se na quarta-feira disposto a deixar regressar à Alemanha cidadãos que combateram nas fileiras do grupo extremista Estado Islâmico e famílias, caso não existam dúvidas sobre a sua identidade e não suponham riscos de segurança.

Lusa


Notícias relacionadas

O califado acabou o Daesh nem por isso
"As Forças Democráticas da Síria (SDF) declaram a total eliminação do autoproclamado califado e a derrota territorial de 100% do EI", declarou um porta-voz do SDF, Mustefa Bali, em um comunicado.
O Estado Islâmico resiste à ofensiva apoiada pelos EUA
As forças democráticas sírias (FDS), coligação de forças árabes e curdas apoiada pelos norte-americanos, tinham anunciado previamente a sua vitória sobre o EI "nos próximos dias", mas os jihadistas, localizados numa pequena aldeia a menos de um quilómetro e meio de Bagouz, mostraram uma resistência feroz.