Escolha as suas informações

União Europeia e EUA travam na guerra comercial
Mundo 2 min. 25.07.2018

União Europeia e EUA travam na guerra comercial

União Europeia e EUA travam na guerra comercial

Foto: AFP
Mundo 2 min. 25.07.2018

União Europeia e EUA travam na guerra comercial

Após mais de duas horas de reunião, Jean-Claude Juncker e Donald Trump concordaram em manter o cenário atual, não aumentar taxas e trabalhar para as reduzir a zero em vários produtos industriais.

Enquanto durarem as negociações entre representantes da União Europeia e dos Estados Unidos não haverá mais taxas aplicadas a produtos de ambos os lados, na sequência da visita que Jean-Claude Juncker realizou a Washington e após reunião que se prolongou por mais de duas horas com o presidente norte-americano, Donald Trump.

Embora exista o compromisso de que seja alcançado um acordo, de momento permanecem as taxas aplicadas ao aço e alumínio que os EUA resolveram impor, bem como as respostas da União Europeia, embora do lado europeu tenha havido a promessa de aumentar as importações de soja e gás natural liquefeito vindos dos Estados Unidos.

"Vamos deixar em pausa próximas taxas e também serão reavaliados os casos do aço e do alumínio", revelou Juncker à saída do encontro. Trump manifestou a convicção de que serão resolvidos esses assuntos, incluindo as respostas da Europa. Os dois prometeram empenhar-se em reduzir a zero as taxas aplicadas a vários produtos industriais e também numa renovação da Organização Mundial do Comércio. 

Antes, Donald Trump insistira na abolição de todas as tarifas entre Estados Unidos e União Europeia. "Todos os anos perdemos centenas de biliões de dólares com a União Europeia e queremos que haja equilíbrio para que os nossos agricultores, os nossos fabricantes, toda a gente, possam beneficiar com isso, mas também a União Europeia. Pensamos que pode ser bom para todos e é isso que estamos aqui para negociar", defendeu, citado pela imprensa internacional.

Na resposta, Juncker deixara implícita uma réplica a algo que o chefe de Estado norte-americano afirmou há pouco tempo quando se referiu à União Europeia como um inimigo e salientou: "Somos parceiros próximos, aliados, não inimigos. Temos de trabalhar juntos. Representamos metade do comércio mundial. Devíamos estar a falar sobre a redução de tarifas e não acerca da sua subida. É disto que devemos falar".

Trump recuperara então o que escrevera na rede social. "Seria bom se todas as tarifas, barreiras e subsídios pudessem desaparecer dos dois lados, porque queremos que seja recíproco. Seja com a União Europeia ou com outros, no mínimo tem de ser recíproco. Estamos a trabalhar nisso e creio que fazemos progressos tremendos". 

Depois de aplicar taxas mais elevadas ao aço e ao alumínio, Trump ameaçou agir da mesma forma no que diz respeito à indústria automóvel europeia. 

Juncker foi acompanhado pela comissária europeia da área do comércio, Cecilia Malmström, que admitiu ao diário sueco Dagens Nyheter existir já uma segunda linha de produtos dos Estados Unidos em relação aos quais estava em estudo a aplicação de uma taxa no valor de 17 mil milhões de euros, caso a cimeira entre os dois dirigentes não tenha os resultados desejados. A União Europeia aplicou já tarifas mais elevadas a produtos como as motos Harley Davidson ou a garrafas de bourbon. 

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba a nossa newsletter das 17h30.


Notícias relacionadas

Juncker hoje em reunião com Trump
Tarifas sobre a indústria automóvel europeia estão no centro da conversa. Através do Twitter, o presidente norte-americano sugeriu que EUA e União Europeia acabassem com todas as tarifas.