Escolha as suas informações

Ucranianos esgotam selo de correio com navio russo afundado
Mundo 2 min. 16.04.2022 Do nosso arquivo online
Guerra Ucrânia

Ucranianos esgotam selo de correio com navio russo afundado

Em Kiev formaram-se filas nas estações de correio para comprar este novo selo, símbolo da resistência contra os russos.
Guerra Ucrânia

Ucranianos esgotam selo de correio com navio russo afundado

Em Kiev formaram-se filas nas estações de correio para comprar este novo selo, símbolo da resistência contra os russos.
AFP
Mundo 2 min. 16.04.2022 Do nosso arquivo online
Guerra Ucrânia

Ucranianos esgotam selo de correio com navio russo afundado

Redação
Redação
Um novo selo com um soldado exibindo o dedo do meio ao cruzador russo Moskva destruído pela Ucrânia tornou-se um símbolo da resistência. Houve longas filas para o adquirir na sexta-feira, dia em que foi lançado.

Um novo selo com uma ilustração de um soldado ucraniano erguendo o dedo do meio ao navio russo “Moskva”, afundado pela Ucrânia no mar Negro, esgotou ontem em algumas estações dos correios de Kiev. O gesto ao navio de guerra é um dos símbolos da resistência ucraniana desta guerra.

O selo colocado à venda na sexta-feira tornou-se rapidamente um símbolo de “Vitória” para os ucranianos que fizeram filas em algumas estações dos correios para o comprar.

"Era o maior navio russo, valia cerca de 750 milhões de dólares, os a Rússia apostou tudo nele e nós destruímo-lo”, declarou à AFP Yuri Kolessan, 22 anos, que aguardou duas horas e meia para comprar 30 selos.


"Duro golpe". Pentágono diz que Moskva foi afundado por dois mísseis ucranianos
“Estimamos que [o navio] foi atingido por dois [mísseis] Neptunes”, disse aos jornalistas o funcionário do Pentágono, que pediu anonimato. Com essa declaração, a fonte desmente a versão de Moscovo, que garante que a embarcação sofreu “danos graves” por causa de um incêndio e depois naufragou.

Yuri Kolessan era uma das centenas de pessoas que se encontrava ontem na estação central dos correios em Kiev para conseguir esta estampa que de repente se tornou um artigo de colecionador. Ao todo foram impressos um milhão de exemplares.

"Queríamos imprimir mais, mas o bombardeamento de ontem à noite em Kiev afetou o trabalho da fábrica e não conseguimos imprimir a quantidade necessária", disse à AFP o representante do serviço postal ucraniano Igor Smelyansky.

AFP

O desaparecimento do “Moskva” no Mar Negro, após ser destruído pelos misseis ucranianos representa para o povo da Ucrânia uma importante reviravolta na invasão. "Esta é uma nova etapa na guerra, a etapa da vitória", vinca Kolessan.

Recorde-se que a Rússia não assumiu que o seu navio de guerra tenha afundado após o ataque ucraniano. Segundo o Kremlin o cruzador foi destruído por uma explosão de munições a bordo e desapareceu no mar.


52º dia Guerra. Bombardeamento a fábrica de mísseis em Kiev e primeiro-ministro britânico proibido de entrar na Rússia.
Moscovo bombardeia Kiev e proíbe Boris Johnson de entrar na Rússia
Putin contra-ataca e após perder o seu cruzador Moskva, afundado por mísseis ucranianos está a bombardear alvos militares em Kiev. O Kremlin decidiu também vetar a entrada do primeiro-ministro britânico no seu país.

A revolta contra o Mosckva vem desde os primeiros dias da invasão russa da Ucrânia, quando um diálogo entre russos e ucranianos ficou viral. A armada russa no navio de guerra ordenou aos guardas ucranianos em terram para se renderem, ao que estes recusaram gritando um conhecido impropério aos russos. Este episódio tornou-se assim um dos símbolos ucranianos da resistência contra os russos.

O maior navio de guerra russo, o Moskva afundou-se há dois dias no Mar Negro, após um ataque de mísseis ucranianos.
O maior navio de guerra russo, o Moskva afundou-se há dois dias no Mar Negro, após um ataque de mísseis ucranianos.
AFP

Para o imortalizar, os serviços dos correios da Ucrânia decidiram lançar um concurso para a sua ilustração, no início de março.

Receberam mais de 500 candidaturas entre as quais foi selecionada a estra ilustração do cartoonista Boris Groh, de Lviv: um soldado ucraniano erguendo o dedo ao navio russo num fundo azul, e com ele no areal da praia amarelo.

O Contacto tem uma nova aplicação móvel de notícias. Descarregue aqui para Android e iOS. Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.