Escolha as suas informações

Ucrânia propõe troca de prisioneiros russos por feridos em Azovstal
Mundo 4 3 min. 12.05.2022
Guerra na Ucrânia

Ucrânia propõe troca de prisioneiros russos por feridos em Azovstal

Soldados ucranianos feridos dentro da fábrica de Azovstal.
Guerra na Ucrânia

Ucrânia propõe troca de prisioneiros russos por feridos em Azovstal

Soldados ucranianos feridos dentro da fábrica de Azovstal.
Foto: AFP
Mundo 4 3 min. 12.05.2022
Guerra na Ucrânia

Ucrânia propõe troca de prisioneiros russos por feridos em Azovstal

Redação
Redação
Mariupol continua a ser palco de bombardeamentos, perante a resistência ucraniana na fábrica Azovstal.

As forças russas continuam a bombardear a fábrica Azovstal em Mariupol, sul da Ucrânia, ao mesmo tempo que a cidade continua debaixo de fogo, disseram as Forças Armadas ucranianas.

Os bombardeamentos aéreos ocorrem numa altura em que a Ucrânia propôs a Moscovo a troca de prisioneiros russos pela retirada de combatentes feridos que se mantêm nos subterrâneos da instalação metalúrgica, o último bastião da presença armada ucraniana em Mariupol.

A vice-primeira-ministra da Ucrânia, Iryna Vereshchuk, disse que as negociações estavam a decorrer no sentido da retirada dos combatentes, mas que apesar das várias opções "nenhuma é a ideal". Um conselheiro do autarca de Mariupol disse que as forças russas bloquearam todas as vias de retirada da cidade.

Von der Leyen: Rússia é "ameaça mais direta" à ordem mundial

A Rússia é a "ameaça mais direta" à ordem internacional, devido à invasão da Ucrânia, declarou esta quinta-feira a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, em Tóquio para participar na 28.ª cimeira UE-Japão.


O chanceler alemão Olaf Scholz.
Berlim avisa que consequências da guerra vão durar 100 anos
A Ucrânia terá de “lutar durante 100 anos” contra as consequências da atual guerra, alertou hoje o chanceler alemão, Olaf Scholz, traçando um paralelo com os efeitos da II Guerra Mundial no seu país.

Moscovo "é hoje a ameaça mais direta à ordem mundial com a guerra bárbara contra a Ucrânia e o perturbador pacto com a China", disse Von der Leyen, depois de um encontro com o primeiro-ministro japonês, Fumio Kishida, na presença do presidente do Conselho Europeu, Charles Michel.

Nesta 28.ª cimeira, os dois lados comprometeram-se a reforçar a cooperação para aplicar "fortes sanções" à Rússia, na sequência da invasão na Ucrânia, e a levar à justiça os responsáveis pelos "crimes de guerra" cometidos no conflito.

Os líderes do Japão e da Europa deixaram ainda uma mensagem à China, de defesa de um "Indo-Pacífico livre e aberto" contra a ascensão militar de Pequim na região. 

O Indo-Pacífico "é uma região cada vez mais próspera, mas com tensões crescentes", destacou Von der Leyen, assinalando, em particular, os contínuos testes de armamento da Coreia do Norte e o elevado perfil militar da China.

A UE procura ter "um papel mais ativo" e "mais responsabilidade" numa região que considera "vital para a sua prosperidade", acrescentou.

Kishida disse, por sua vez, que tanto o Japão como a UE "discutirão em conjunto quaisquer tentativas de alterar o 'status quo', ou de coerção económica" na região, com vista a promover um Indo-Pacífico "livre e aberto".

Ataque ucraniano na Rússia fez um morto

Um ataque das forças ucranianas contra o sudoeste da Rússia causou esta quinta-feira um morto e três feridos, segundo avançou o governador russo da região alvo do bombardeamento.


Primeiro militar russo acusado de crimes de guerra será julgado na Ucrânia
Segundo a investigação do Ministério Público, a 28 de fevereiro, Shishimarin, de 21 anos, matou um homem desarmado que seguia de bicicleta pela estrada na localidade de Chupajivka. Enfrenta uma pena entre 10 e 15 anos de prisão ou prisão perpétua

"Até ao momento, uma pessoa perdeu a vida, morreu na ambulância, e há três feridos", destacou o governador da região de Belgorod, Vyacheslav Gladkov, numa mensagem divulgada na rede social Telegram, citada pela agência France-Presse (AFP).

Vyacheslav Gladkov referiu, no comunicado, que esta é a situação "mais difícil" na sua região desde que o Presidente russo, Vladimir Putin, determinou o envio de tropas para a Ucrânia, em 24 de fevereiro. O governador acusou a Ucrânia de ter como alvo a vila de Solokhi, especificando que uma casa ficou parcialmente destruída.

A região de Belgorod situa-se maioritariamente na margem direita do rio Donets, no sudoeste da Rússia e fica a cerca de 40 quilómetros da fronteira com a Ucrânia, perto de Kharkiv, a segunda maior cidade ucraniana

As autoridades russas nas regiões fronteiriças com a Ucrânia acusam regularmente as forças de Kiev de lançarem ataques contra a Rússia.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas