Escolha as suas informações

Ucrânia. Guerra já provocou mais de 1 milhão e 700 mil refugiados
Mundo 2 min. 07.03.2022 Do nosso arquivo online
ONU

Ucrânia. Guerra já provocou mais de 1 milhão e 700 mil refugiados

ONU

Ucrânia. Guerra já provocou mais de 1 milhão e 700 mil refugiados

AFP
Mundo 2 min. 07.03.2022 Do nosso arquivo online
ONU

Ucrânia. Guerra já provocou mais de 1 milhão e 700 mil refugiados

Lusa
Lusa
São mais 200.000 pessoas em relação aos números divulgados no domingo pela agência da ONU.

Mais de um milhão e 700 mil pessoas já fugiram da Ucrânia desde o início da invasão russa, em 24 de fevereiro, de acordo com o balanço divulgado hoje pelas Nações Unidas.

O Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados (ACNUR) indicou que 1.735.068 pessoas já deixaram a Ucrânia, de acordo com os dados disponibilizados no seu portal oficial às 11:00.

São mais 200.000 pessoas em relação aos números divulgados no domingo pela agência da ONU.

A Polónia abriga o maior número de refugiados desde o início da invasão russa à Ucrânia. No total, 1.027.603 ucranianos foram acolhidos no país, o que representa 59,2% do total, segundo o ACNUR.


A grande maioria dos refugiados da Ucrânia que chega ao Grão-Ducado são mulheres e crianças que tiveram de deixar pais, irmãos e filhos para trás.
Mães do Luxemburgo juntam-se para integrar mães ucranianas e os filhos
O objetivo é que estas mulheres se encontrem e façam atividades juntas com os seus filhos para as ajudar na integração no novo país.

Domingo chegaram à Polónia mais de 142.000 pessoas que fogem da guerra

No domingo, foi registado um novo recorde de chegadas, com 142.300 pessoas a atravessar a fronteira com a Polónia.

A Hungria está a acolher 180.163 pessoas (10,4% do total), segundo o ACNUR. O país, que tem cinco postos de fronteira com a Ucrânia e várias cidades fronteiriças, como Záhony, converteu edifícios públicos em centros de ajuda, onde civis húngaros estão a oferecer comida ou assistência.

A Eslováquia contabilizou 128.169 pessoas que fugiram da Ucrânia, ou 7,4% do total, e 14.000 a mais em relação ao último balanço.

Após a chegada à Moldova, um pequeno país de 2,6 milhões de habitantes e um dos mais pobres da Europa, alguns dos refugiados continuam a sua jornada para a Roménia ou Hungria, muitas vezes para encontrar familiares.

De acordo com a contagem do ACNUR, 82.762 refugiados ucranianos foram registados no país, o que representa 4,8% do total.

Na Roménia, o ACNUR registou 78.977 refugiados ucranianos, 4,6% do total. Dois campos para refugiados foram montados, um em Sighetu Marmatiei e outro em Siret.

O ACNUR especificou ainda que 183.688 pessoas (10,6% do total) continuaram a sua viagem, uma vez atravessada a fronteira ucraniana, com destino a outros países europeus.

 Corredores humanitários vão intensificar fluxo de refugiados

A polícia federal alemã declarou hoje que já chegaram ao país 50.294 pessoas que fugiram da guerra na Ucrânia, embora não haja registo sistemático de recém-chegados, segundo o Governo alemão.


Rússia anuncia corredores humanitários em quatro cidades ucranianas
A decisão foi tomada "perante a situação humanitária catastrófica e o seu forte agravamento nas cidades de Kiev, Kharkiv, Sumi e Mariupol.

O número de pessoas que procura refúgio na Rússia não foi atualizado desde 03 de março, sendo cerca de 53.300, ou 3,1% do número total.

O ACNUR também registou que entre 18 e 23 de fevereiro, 96.000 pessoas cruzaram os territórios separatistas pró-Rússia de Donetsk e Lugansk para a Rússia.

As autoridades ucranianas e a ONU esperam que o fluxo de refugiados se intensifique, principalmente no caso de abertura de corredores humanitários que, teoricamente, deveriam permitir a saída de civis cercados em grandes cidades.

Segundo a ONU, quatro milhões de pessoas poderão deixar o país para escapar da guerra.

Antes deste conflito, a Ucrânia era povoada por mais de 37 milhões de pessoas nos territórios controlados por Kiev - o que, portanto, não inclui a Crimeia, anexada pela Rússia, ou as áreas sob controlo separatista.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas