Escolha as suas informações

Tsipras frisa que gregos têm hoje "nas mãos as rédeas do seu destino"
Mundo 2 min. 05.07.2015 Do nosso arquivo online
Referendo

Tsipras frisa que gregos têm hoje "nas mãos as rédeas do seu destino"

Alexis Tsipras já votou
Referendo

Tsipras frisa que gregos têm hoje "nas mãos as rédeas do seu destino"

Alexis Tsipras já votou
Foto: AFP
Mundo 2 min. 05.07.2015 Do nosso arquivo online
Referendo

Tsipras frisa que gregos têm hoje "nas mãos as rédeas do seu destino"

O primeiro-ministro grego, Alexis Tsipras, afirmou que o povo enviará hoje, através do referendo que se realiza na Grécia, a importante mensagem de que têm "nas mãos as rédeas do seu destino".

O primeiro-ministro grego, Alexis Tsipras, afirmou que o povo enviará hoje, através do referendo que se realiza na Grécia, a importante mensagem de que têm "nas mãos as rédeas do seu destino".

"Muitos podem ignorar a vontade do Governo. A vontade do povo não", disse Tsipras, depois de ter votado no bairro popular de Atenas de Kipseli.

O primeiro-ministro reforçou que "hoje o povo grego envia a mensagem que toma nas suas mãos o seu destino", assim como "hoje a democracia vence o medo" e "a determinação vence a propaganda do medo".

Numa mesa de voto repleta de câmaras e entre aplausos de cidadãos, Tsipras lançou também uma mensagem europeísta para reforçar que a escolha de hoje é "uma mensagem de determinação, não só para ficar, mas para viver com dignidade na Europa".

"Estou muito otimista", disse Tsipras, sobre o resultado do referendo em que os gregos vão decidir se aceitam o programa apresentado pelos credores internacionais. 

Foto: AFP

Dez milhões de gregos votam hoje

Hoje são chamados cerca de dez milhões de gregos a decidir sobre o futuro do país e, provavelmente, a permanência na zona euro.

As mais de 19 mil assembleias de voto abriram às 7h (6h no Luxemburgo) e fecham às 19h (18h no Luxemburgo), antecipando-se uma longa noite para os líderes europeus e para os principais atores financeiros.

O referendo, o primeiro desde 1974, serve para os gregos decidirem se aceitam o programa apresentado pelos credores internacionais (Comissão Europeia, Fundo Monetário Internacional e Banco Central Europeu) há mais de uma semana.

Contudo, esse programa já não existe, dado que Atenas falhou o pagamento de 1,55 mil milhões de euros ao Fundo Monetário Internacional (FMI) a meio da semana passada.

É exigida uma participação de pelo menos 40% do eleitorado para que o resultado do referendo seja considerado válido.

Os primeiros resultados devem ser conhecidos a partir das 20h (hora no Luxemburgo).

O Governo grego surpreendeu toda a gente ao final do dia 26 de junho, ao anunciar um referendo durante as negociações, e ficou assim arredado de receber, pelo menos para já, cerca de 12 mil milhões de euros que estavam a ser negociados com os parceiros europeus até novembro, e mais de 3,5 mil milhões de euros vindos do FMI.


Notícias relacionadas

A crise na Grécia está a provocar divisões no governo luxemburguês, com o primeiro-ministro Xavier Bettel e o ministro das Finanças a defenderem uma posição dura em Bruxelas, enquanto outros ministros da coligação enviam mensagens de apoio à Grécia nas redes sociais.
Xavier Bettel, Pierre Gramegna and Nicolas Schmit (l.t.r.)
O primeiro-ministro grego, Alexis Tsipras, anunciou hoje que vai manter o referendo à proposta dos credores agendado para 05 de julho e reiterou o apelo ao não, garantindo que vai encontrar soluções após a consulta popular.
Alexis Tsipras durante o discurso transmitido hoje pela televisão grega
Por Paula Telo Alves - A leviandade com que os líderes europeus têm estado a lidar com a Grécia faz lembrar uma velha anedota judaica. Dois judeus viajam a bordo do Titanic quando o barco começa a afundar-se. Os dois conseguem lugar num bote salva-vidas, mas um deles chora desesperadamente. “Mas estás a chorar porquê?”, pergunta-lhe o outro. “Por acaso o barco é teu?”.
A man collects items for recycling past a political graffiti in Athens, Greece June 30, 2015. The head of the European Commission made a last-minute offer to try to persuade Greek Prime Minister Alexis Tsipras to accept a bailout deal he has rejected before a referendum on Sunday which EU partners say will be a choice of whether to stay in the euro.  The word painted over the European Union flag reads, "No".  REUTERS/Yannis Behrakis      TPX IMAGES OF THE DAY