Escolha as suas informações

Trump sabia que atacantes do Capitólio estavam armados
Mundo 28.06.2022
Investigação

Trump sabia que atacantes do Capitólio estavam armados

Investigação

Trump sabia que atacantes do Capitólio estavam armados

Foto: AFP
Mundo 28.06.2022
Investigação

Trump sabia que atacantes do Capitólio estavam armados

Lusa
Lusa
“Deixem a minha gente passar”, disse o ex-Presidente dos EUA. mesmo depois de ter sido informado de que manifestantes carregavam armas.

Cassidy Hutchinson, antiga assessora da Casa Branca na administração Trump, disse esta terça-feira em Washington que o ex-Presidente foi informado que os manifestantes que protagonizaram uma tentativa de ocupação do Capitólio estavam armados mas que insistiu que os deixassem avançar.

“Deixem a minha gente passar” e marchar em direção ao Capitólio, terá dito Donald Trump pouco antes de milhares de seus apoiantes, que em 06 de janeiro de 2021 entraram em confrontos violentos com a polícia para impedir a certificação da vitória nas presidenciais de Joe Biden, tendo morrido cinco pessoas.

Pouco antes, o magnata havia feito um discurso inflamado perto da Casa Branca, onde encorajou os seus apoiantes a marchar em direção ao Capitólio, lançando acusações infundadas de que os democratas tinham cometido fraude eleitoral naquela votação.

As imagens de uma multidão a invadir a sede do Congresso dos Estados Unidos chocaram o mundo.

  “Não me importo que eles tenham armas"  

No testemunho que deu esta quarta-feira perante o comité da Câmara de Representantes que está a investigar o ataque ao Capitólio, Hutchinson citou Trump a dar instruções à sua equipa, que utilizou termos vernáculos, para que retirassem os detetores de metal que, considerava o ex-Presidente, fariam perder tempo aos seus apoiantes.

“Não me importo que eles tenham armas", disse então Trump, citado por Cassidy Hutchinson.

“Eles não estão aqui para me magoar. Estou-me marimbando se eles têm ou não armas”, disse especificamente Trump, citado pela antiga assessora.

A jovem de 25 anos, que era assistente especial e assessora de Mark Meadows, já deu antes uma série de informações a investigadores do Congresso e fez vários depoimentos à porta fechada.

Mas o comité convocou a audiência para esta quarta-feira para ouvir o seu depoimento público, aumentando as expectativas de novas revelações na investigação que dura há quase um ano.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas