Escolha as suas informações

Trump responde com "fortes sanções" e descarta, para já, resposta militar ao Irão
Mundo 08.01.2020 Do nosso arquivo online

Trump responde com "fortes sanções" e descarta, para já, resposta militar ao Irão

Trump responde com "fortes sanções" e descarta, para já, resposta militar ao Irão

Foto: Casa Branca/Zu
Mundo 08.01.2020 Do nosso arquivo online

Trump responde com "fortes sanções" e descarta, para já, resposta militar ao Irão

Teresa CAMARÃO
Teresa CAMARÃO
EUA preparam resposta económica aos bombardeamentos ordenados pelo Irão às bases militares norte-americanas do Iraque. O Presidente não recua até ver Teerão "mudar as suas políticas".

Com praticamente meia hora de atraso, o Presidente norte-americano falou aos Estados Unidos e ao mundo para anunciar um pacote de "forte sanções" económicas contra o Irão. Só recua na aplicação das "novas poderosas sanções" se o país "mudar as suas políticas".   

A partir da Casa Branca, em Washington, Donald Trump prometeu uma resposta económica em vez da militar. "O Irão parecer estar a recuar, o que é bom para todo o mundo", vincou antes mesmo de ter confirmado que o bombardeamento às duas bases militares norte-americanas estacionadas no Iraque levado a cabo, esta madrugada, por Teerão "não parece ter feito vítimas" entre os militares norte-americanos e iraquianos. 

"Não há mortos nem feridos porque tomamos todas as medidas de segurança necessárias", sublinhou o multimilionário. 

Trump repetiu duas vezes que "enquanto for Presidente dos Estados Unidos, o Irão nunca terá armas nucleares". Disse-o logo no arranque do discurso que estava previsto para as 11h da manhã nos EUA, 17h no Luxemburgo. 

Na intervenção em que voltou a acusar o general iraniano Qasem Soleimani, morto esta sexta-feira por ordem do Pentágono em Bagdad, de "treinar terroristas" e de ser um dos maiores inimigos do regime norte-americano, Trump voltou a acusá-lo de estar a planear um ataque contra os Estados Unidos. "Devia ter sido morto há muito tempo", sublinhou sem pestanejar. 

"A vossa campanha de terror não vai mais ser tolerada", avisou o líder norte-americano.  

Apesar de reconhecer que a retaliação aos ataques desta madrugada continuam em aberto, mostrou vontade para a formalizar um novo acordo nuclear com o país. Em maio de 2018, foi no entanto, o mesmo Donald Trump a patrocinar a cisão com Teerão. Rasgou o acordo negociado pelo antecessor, Barack Obama, e aplicou logo então um pacote de sanções económicas. Há mais de um ano e meio já acusava o Irão de ser o "principal patrocinador do terrorismo" apesar do país estar na linha da frente contra o combate e eliminação dos radicais islâmicos do Daesh. 


Notícias relacionadas

Estados Unidos voltam a aplicar sanções ao Irão esta segunda-feira
Manifestações em Teerão assinalaram o aniversário da invasão da antiga embaixada norte-americana em 1979. Bandeiras dos EUA e de Israel foram queimadas enquanto se gritavam palavras de ordem contra os dois países considerados inimigos. Hoje entram em vigor as sanções dos Estados Unidos.
Queimaram-se bandeiras dos EUA e de Israel em manifestações na cidade de Teerão.
Estados Unidos abandonam acordo nuclear com Irão
O Presidente norte-americano, Donald Trump, anunciou hoje que os Estados Unidos abandonam o acordo nuclear assinado entre o Irão e o grupo dos cinco membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU mais a Alemanha.
US President Donald Trump signs a document reinstating sanctions against Iran after announcing the US withdrawal from the Iran Nuclear deal, in the Diplomatic Reception Room at the White House in Washington, DC, on May 8, 2018. / AFP PHOTO / Saul LOEB / ALTERNATIVE CROP