Escolha as suas informações

Trump garante que “está tudo bem” e diz que fala hoje
Mundo 2 min. 08.01.2020 Do nosso arquivo online

Trump garante que “está tudo bem” e diz que fala hoje

Trump garante que “está tudo bem” e diz que fala hoje

Foto: AFP
Mundo 2 min. 08.01.2020 Do nosso arquivo online

Trump garante que “está tudo bem” e diz que fala hoje

Mais de uma dúzia de mísseis iranianos foram lançados esta quarta-feira de madrugada contra duas bases iraquianas, em Ain al-Assad e Arbil, que albergam tropas norte-americanas. Uma ação considerada uma operação de vingança na sequência da morte do general Qassem Soleimani.

O Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, disse esta quarta-feira, numa primeira reação ao ataque iraniano a duas bases iraquianas com militares norte-americanos, que “está tudo bem” e que fala hoje sobre a situação.


Debandada no funeral de Soleimani deixa 40 mortos e mais de 200 feridos
A debandada ocorreu em Kerman, onde dezenas de milhares de pessoas se concentraram esta terça-feira para as cerimónias fúnebres do general iraniano.

“Está tudo bem! Mísseis lançados do Irão para duas bases militares localizadas no Iraque. Avaliação das vítimas e danos materiais está em curso. Até agora, está tudo bem”, escreve Trump na rede social Twitter às 21:45 locais (03h45 de hoje no Luxemburgo).

Na mesma mensagem, o Presidente norte-americano garante que os EUA têm “as mais poderosas e mais bem equipadas forças armadas em todo o mundo, de longe”, prometendo uma declaração para hoje.

Segundo o ‘tweet’, Trump fará a declaração ainda de manhã em Washington.

Mais de uma dúzia de mísseis iranianos foram lançados na quarta-feira de madrugada contra duas bases iraquianas, em Ain al-Assad e Arbil, que albergam tropas norte-americanas.

Esta ação é considerada como uma operação de vingança na sequência da morte do general Qassem Soleimani, comandante da força de elite iraniana Al-Quds, que morreu na sexta-feira num ataque aéreo contra o carro em que seguia, junto ao aeroporto internacional de Bagdad, capital do Iraque, ordenado por Donald Trump.


Tira, não tira. EUA anunciam retirada das tropas do Iraque mas afinal foi engano
As tropas norte-americanas receberam "por engano" uma carta com ordem de retirada do Iraque em plena crise desencadeada pelo ataque que matou o número dois Irão. Washington fala num "erro cometido de boa fé" numa altura em que Donald Trump ameaça sanções em retaliação à moção aprovada pelo parlamento iraquiano com vista à expulsão das forças norte-americanas de Bagdad.

Pouco depois, o Pentágono confirmou que "mais de uma dúzia de mísseis" iranianos foram disparados contra as duas bases.

A televisão estatal iraniana referiu que esta operação militar foi designada “Mártir Soleimani” e indicou que foi a divisão aeroespacial dos Guardas da Revolução, que controla o programa de mísseis iranianos, desencadeou o ataque.

A base aérea de Ain al-Assad foi a primeira utilizada pelos forças militares norte-americanas após a invasão do Iraque em 2003 destinada a derrubar Saddam Hussein. As forças dos EUA permaneceram estacionadas no local quando foi desencadeado o combate no Iraque e na Síria contra o grupo ‘jihadista’ Estado Islâmico.

O Irão ameaçou ainda atacar “no interior dos EUA", “Israel” e “aliados dos EUA”, segundo os Guardas da Revolução, na eventualidade de haver uma retaliação norte-americana.


Segunda vaga de mísseis iranianos atinge bases norte-americanas
De acordo com a Aljazeera, o Irão lançou uma nova vaga de mísseis contra bases norte-americanas no Iraque. Autoridades iranianas já reivindicaram os ataques como resposta ao assassinato do General Qassem Soleimani.

A autoridade federal norte-americana para a aviação (FAA, na sigla em inglês) defendeu a restrição do espaço aéreo no Golfo Pérsico, mencionando o “potencial para más identificações e maus cálculos”. 

Em comunicado, a FAA proibiu aviões e pilotos norte-americanos de voarem sobre áreas do Iraque, Irão, do Golfo Pérsico e do Golfo de Omã.

Lusa


Notícias relacionadas

Estados Unidos souberam do ataque antes de acontecer
Os serviços norte-americanos de inteligência detetaram comunicações entre o Irão e o Iraque e anteciparam os ataques protegendo os seus soldados. Ainda assim, Washington acredita que o Irão pode ter procurado deliberadamente não fazer vítimas para evitar um agravamento do conflito.