Escolha as suas informações

Trump afirma que EUA ponderam voltar a dar dinheiro à OMS
Mundo 16.05.2020 Do nosso arquivo online

Trump afirma que EUA ponderam voltar a dar dinheiro à OMS

Trump afirma que EUA ponderam voltar a dar dinheiro à OMS

Foto: AFP
Mundo 16.05.2020 Do nosso arquivo online

Trump afirma que EUA ponderam voltar a dar dinheiro à OMS

Lusa
Lusa
Os Estados Unidos cancelaram a sua contribuição para a OMS depois de Trump criticar a forma como a organização geriu a pandemia de covid-19 e acusá-la de ceder às pressões da China.

 O Presidente norte-americano, Donald Trump, disse este sábado que está a considerar retomar parcialmente a contribuição dos Estados Unidos para a Organização Mundial de Saúde (OMS), que suspendeu em abril.

“Uma das várias hipóteses que estamos a considerar é pagarmos 10% do que temos estado a pagar durante muitos anos, colocando-nos ao nível da contribuição, muito mais baixa, da China”, escreveu Trump no Twitter, citado pela agência EFE.

“Ainda não tomámos uma decisão final. Todos os fundos estão congelados”, acrescentou.

Os Estados Unidos cancelaram a sua contribuição para a OMS depois de Trump criticar a forma como a organização geriu a pandemia de covid-19 e acusá-la de ceder às pressões da China.

Até agora o maior contribuinte para a OMS, os Estados Unidos davam anualmente 400 a 500 milhões de dólares à organização, entre contribuições obrigatórias e voluntárias.

Os Estados Unidos são nesta altura o país mais afetado pela pandemia, com 87.493 mortes e mais de 1,4 milhões de casos de infeção, segundo números de sexta-feira.

O estado de Nova Iorque é o grande foco de coronavírus no país, com 345.813 casos confirmados e 27.841 mortes, números equivalentes aos de França e de Espanha, abaixo apenas do Reino Unido e de Itália.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

Com o argumento de que a OMS não soube responder à pandemia, o Presidente norte-americano vai "redirecionar os fundos para outras necessidades urgentes e globais de saúde pública que possam surgir”