Escolha as suas informações

Trump acusado de congelar ajuda à Ucrânia para pressionar a investigar rival
Mundo 24.09.2019

Trump acusado de congelar ajuda à Ucrânia para pressionar a investigar rival

Trump acusado de congelar ajuda à Ucrânia para pressionar a investigar rival

Foto: AFP
Mundo 24.09.2019

Trump acusado de congelar ajuda à Ucrânia para pressionar a investigar rival

O Presidente norte-americano congelou cerca de 400 milhões de dólares de ajuda militar à Ucrânia poucos dias antes de ter pedido ao seu homólogo ucraniano para investigar o seu rival democrata Joe Biden, avançam hoje os media norte-americanos.

Os jornais Washington Post e The New York Times citam altos funcionários da Administração Trump para afirmar que, uns dias antes de Donald Trump ter conversado por telefone com Volodymyr Zelensky, o Presidente norte-americano ordenou a suspensão de cerca de 400 milhões dólares (363 milhões de euros) de ajuda militar à Ucrânia.

O Presidente dos EUA admitiu na segunda-feira ter falado do antigo vice-presidente Joe Biden e do seu filho Hunter num telefonema com o Presidente da Ucrânia, caso que está a ser usado como prova de tentativa de pressão sobre um líder estrangeiro.

De acordo com o Washington Post, os responsáveis pelo congelamento da ajuda financeira receberam indicações para dizer aos deputados que a decisão estava associada a “um processo entre organismos” e para não fornecer mais informações.

Donald Trump negou ter pressionado a Ucrânia para tentar prejudicar o seu rival político Joe Biden, afastando a possibilidade de ser dado início a um processo de ‘impeachment’ (destituição do Presidente), apesar dos apelos da oposição democrata.

“Não pressiono a Ucrânia”, disse Trump, à margem da Assembleia Geral da ONU, que teve hoje início em Nova Iorque.

“Joe Biden e o seu filho são corruptos”, acusou, voltando a referir que existem rumores sobre um alegado caso de corrupção na Ucrânia ligado à empresa onde Hunter Biden trabalha.

Donald Trump admitiu ter feito um telefonema para o Presidente ucraniano em 25 de julho, no qual falou sobre este caso, mas garantiu que a conversa teve um tom “congratulatório” e focou-se nos problemas da corrupção nos países da Europa de Leste.

A oposição suspeita, no entanto, que Donald Trump tenha aproveitado a sua posição para pressionar Zelensky a investigar Joe Biden, usando a ajuda militar que é dada à Ucrânia como forma de pressão.

Este novo caso levou congressistas democratas a pedirem um processo de ‘impeachment’ ao Presidente.

Lusa

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba a nossa newsletter das 17h30.


Notícias relacionadas

Gordon Sondland admite que pressionou governo da Ucrânia
O embaixador norte-americano na União Europeia admitiu ter pressionado, a pedido de Donald Trump, o governo ucraniano para investigar o filho de Joe Biden, rival do atual presidente na corrida à Casa Branca, em troca de apoio militar.
EUA. Embaixador acusa Trump de traição à nação
Embaixador interino dos Estados Unidos na Ucrânia afirmou no processo de destituição de Donald Trump que o presidente norte-americano tentou comprar o governo ucraniano com ajuda militar em troca de investigação ao filho do seu principal rival político, Joe Biden.
Começa a fase pública do 'impeachment' a Donald Trump
O processo de destituição do presidente norte-americano começa esta quarta-feira a ser transmitido pela televisão no dia em que os diplomatas William Taylor e George Kent prestam declarações no Congresso dos Estados Unidos.
Donald Trump enfrenta pedido de destituição
Trump arrisca-se a ser o primeiro presidente dos EUA a ser destituido. Em causa as pressões do magnata norte-americano ao homólogo ucraniano para investigar os negócios de Joe Biden, potencial adversário nas eleições de 2020.