Escolha as suas informações

Troca de ataques verbais entre China e Estados Unidos
Mundo 3 min. 23.04.2020 Do nosso arquivo online

Troca de ataques verbais entre China e Estados Unidos

Troca de ataques verbais entre China e Estados Unidos

Foto: AFP
Mundo 3 min. 23.04.2020 Do nosso arquivo online

Troca de ataques verbais entre China e Estados Unidos

Nas últimas semanas, vários governos ocidentais responsabilizaram a China pela pandemia. As autoridades chinesas acusam agora os Estados Unidos de hipocrisia por serem o país onde surgiu a SIDA, o H1N1 e a crise financeira de 2008.

Se durante algum tempo, o combate à pandemia conseguiu meter em água morna as diferenças entre os diferentes governos, nos últimos dias subiu de tom a retórica política sobre a eventual responsabilidade da China pela doença. Abertamente, países com lideranças mais à direita como os Estados Unidos, Brasil e Israel apontaram o dedo ao gigante asiático. Mas sem a estridência do presidente norte-americano, vários líderes europeus questionaram esta semana a versão chinesa sobre a origem, a gestão e as números da pandemia. Os governos da França e do Reino Unido encabeçaram precisamente essa subida de tom.

“Esperamos que a China nos respeite como ela deseja ser respeitada”, declarou na segunda-feira o ministro francês de Relações Exteriores, Jean-Yves Le Drian, segundo o El País. “Nada pode voltar a ser como antes” enquanto a China não esclarecer de forma cabal tudo o que está relacionado com o vírus, observou também na semana passada o seu homólogo britânico, Dominic Raab, provisoriamente à frente do governo enquanto o primeiro-ministro, Boris Johnson, se recupera da doença.

O facto é que a pandemia exacerbou as rivalidades geopolíticas. Entre os Estados Unidos e a China, os europeus tinham mantido um perfil discreto até recentemente. Uma exceção foi Josep Borrell, alto representante para a Política Externa da União Europeia, que em 24 de março alertava para o que chamou de “política da generosidade” como arma de influência geopolítica na “batalha global das narrativas”. Uma retórica adoptada quando a União Europeia se mostrava incapaz de lidar com a pandemia enquanto imagens de aviões chineses transportando material médico para a Europa enchiam os telejornais.

Agora, a China decidiu responder à Casa Branca subindo também o tom. "Nos anos 80, a SIDA foi inicialmente descoberta nos Estados Unidos e depois espalhou-se pelo mundo. Alguém pediu aos Estados Unidos que assumissem a responsabilidade por isto?", questionou o porta-voz do Ministério chinês dos Negócios Estrangeiros, Geng Shuang. "O vírus é um inimigo comum da humanidade que pode atacar a qualquer momento e em qualquer lugar. Como outros países, a China é também uma vítima, não um criminoso, quanto mais um cúmplice da covid-19", afirmou o porta-voz. 

Geng insistiu que a China tomou as medidas mais completas, rigorosas e exaustivas para conter a COVID-19, num espírito aberto, transparente e responsável. "A China fez enormes sacrifícios, acumulou experiências valiosas e deu contributos significativos para a resposta global. A comunidade internacional está a testemunhar e a aplaudir os esforços e os progressos da China", sublinhou. Face às grandes crises de saúde pública e às doenças infecciosas, a comunidade internacional deve mostrar solidariedade e trabalhar em conjunto, em vez de recorrer a acusações mútuas ou exigir retribuição ou responsabilização, afirmou, acrescentando que também a gripe H1N1 surgiu nos Estados Unidos propagando-se a mais de 214 países e regiões em 2009. “Alguém pediu uma indemnização aos Estados Unidos?", perguntou Geng que foi mais longe e referiu ainda os Estados Unidos como responsáveis pela crise financeira de 2008.

"Os Estados Unidos precisam de compreender que o seu inimigo é o vírus, não a China", afirmou. "Atacar e desacreditar outros países não compensará o tempo e as vidas perdidas". "Esperamos que o lado americano respeite os factos, a ciência e o consenso internacional e que deixe de atacar e culpar a China por nada, que deixe de fazer declarações irresponsáveis e que, em vez disso, se concentre na luta contra a epidemia a nível interno e na promoção da cooperação internacional", acrescentou. 

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

A China acusou hoje o presidente norte-americano, Donald Trump, de atacar a Organização Mundial de Saúde (OMS) para desviar atenções da sua gestão da pandemia de covid-19 e fugir às suas obrigações para com a organização.
O Presidente chinês, Xi Jinping, assegurou hoje, na sua primeira conversa com o futuro homólogo norte-americano, Donald Trump, que para a China e os Estados Unidos da América "a cooperação é a única via correta".
(FILES) This file photo taken on October 31, 2016 shows Chinese President Xi Jinping as he listens to French Minister for Foreign Affairs Jean-Marc Ayrault during their meeting in Beijing.
President Barack Obama will meet key European allies and China's Xi Jinping during an upcoming three-country overseas trip, the White House said November 11, 2016, hoping to reassure partners after Donald Trump's shock election. Obama is expected to meet the leaders of Britain, France and Germany during a visit to Berlin and will hold a bilateral meeting with China's leader on the margins of an Asia-Pacific summit in Lima, Peru, said top Obama advisor Ben Rhodes.
 / AFP PHOTO / FRED DUFOUR